Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rosely Sayão: ‘Ninguém está preocupado de fato com a criança no MAM’

Para psicóloga, que é colunista de VEJA, a reprodução de fotos e vídeos em que garota toca o pé de um artista nu a expõe publicamente e pode lhe fazer mal

Os que usam as redes sociais para gritar contra a performance do coreógrafo fluminense Wagner Schwartz, que se despiu completamente para emular uma escultura da série Bichos, da artista plástica mineira Lygia Clark, e supostamente defender a menina que interagiu com ele ao tocar seu pé, não estão de fato preocupados com o bem-estar da garota. A opinião é da psicóloga Rosely Sayão, colunista de VEJA, que vê na reprodução de fotos e vídeos da performance realizada no MAM-SP (Museu de Arte Moderna de São Paulo) uma ameaça à menina.

“O maior problema, no meu entender, e ninguém parece preocupado com isso, é que a garota está super-exposta”, diz Rosely. “Ela poderia ter passado por esse evento do MAM sem sobressalto, vê-lo como um episódio curioso e depois acabar se esquecendo dele, mas agora não vai poder esquecer.” O Ministério Público de São Paulo, que abriu inquérito, já solicitou ao YouTube e ao Facebook que retire o material do ar.

Especializada em assuntos de família, Rosely Sayão também se solidariza com a mãe, que participou da performance ao lado da menina. “Todo mundo está julgando essa mãe sem tentar entender por que ela deixou a filha participar da performance e que existem pessoas que pensam diferente no mundo, que cada um e cada família é de um jeito”, diz.

A mãe da menina, que interagiu com Wagner Schwartz ao lado da garota, tem 37 anos, também é coreógrafa e também realiza performances. La Bête, a performance de que mãe e filha tomaram parte em uma sessão fechada para convidados no MAM-SP, na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira na última terça-feira, não era, portanto, algo fora do normal para elas.

“Não vejo problema em a mãe levar a filha a participar”, diz Rosely. “A escolha é familiar, tudo depende da família. Há famílias que tratam o nu e a arte envolvendo o nu de maneira natural, e se comunicam com os filhos de uma forma que eles entendem.”

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, da ONU, vale lembrar, afirma em seu Artigo 26 que “os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos”.

“A nossa responsabilidade é evitar a exposição pública da garota”, frisa Rosely Sayão. “Os haters das redes sociais vão localizar a menina, vão falar qualquer coisa para ela e para a mãe. As pessoas não têm pudor”, alerta a psicóloga.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Obrigado à colunista por proporcionar um pouquinho de bom senso no meio desse tsunami de estupidez.

    Curtir

  2. caroline de oliveira mesquita

    Pois é, o ideal era todo mundo ter ficado calado ao invés de denunciar né doutora

    Curtir

  3. Horácio Roque Brandão

    Não estou conseguindo ler o que postei e o que disseram….

    Curtir

  4. Osmar Serrragem

    Existem crianças que são abusadas sexualmente durante anos e saem desconfiam que estão sendo abusadas. Acham tudo “natural. Até que outro adulto percebe e desmascara o abuso. Dona Roseli não poderia estar mais equivocada. Lamentável a ignorância…

    Curtir

  5. Osmar Serrragem

    Estamos cansados de “donas da verdade”ingênuas e ignorantes.

    Curtir

  6. Osmar Serrragem

    Coitadas das crianças, se dependerem deste naipe de profissionais para as defenderem…

    Curtir