Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Oswaldo Aranha, o presidente que poderia ter sido

Sua personalidade e sua trajetória são sintetizados em um volume de fina feitura, de Pedro Corrêa do Lago, neto do biografado

Natural de Alegrete, Rio Grande do Sul, Oswaldo Aranha (1894-1960) foi um dos expoentes do grupo político que tomou o poder com a Revolução de 1930. Sua carreira não foi menos que brilhante. Foi ministro da Fazenda e chanceler, e presidiu a Assembleia das Nações Unidas que decidiu pela partilha da Palestina e pela criação do Estado de Israel. Na figura ímpar de Oswaldo Aranha, conviviam várias facetas: o revolucionário e o conciliador, o guerreiro impetuoso e o negociador político, o caudilho sem paciência e o diplomata sem pressa, o nativista de bombachas e o cosmopolita de terno branco e sapato bicolor. Sua personalidade e sua trajetória são sintetizados em um volume de fina feitura, Oswaldo Aranha – Uma Fotobiografia (editora Capivara), de Pedro Corrêa do Lago, neto do biografado. A resenha de Augusto Nunes que VEJA traz esta semana delineia o perfil desse homem extraordinário, que só não foi presidente porque um amigo (às vezes rival) era mais cortado para o posto: Getúlio Vargas. O ensaio sobre a fotobiografia traça, ainda, o vivo contraste entre a geração de Vargas e Aranha e a mediocridade dos homens públicos do Brasil de hoje.

Para ler a resenha, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Agenor Araújo

    O nome correto do autor de livro é Pedro Corrêa do Lago e não “Plínio Corrêa do Lago”.

    Curtir

  2. Agenor Araújo

    O nome correto do autor do livro é Pedro Corrêa do Lago e não “Plínio Corrêa do Lago”.

    Curtir

  3. Elisabete Antonietto

    Imperdível. Acabei de ler. Parabéns Augusto Nunes.

    Curtir

  4. Agenor Araújo

    Falta corrigir o nome do autor no subtítulo da matéria.

    Curtir

  5. Guilherme Silva

    Curtir

  6. Francisco Martins

    O autor é o que “trabalhou” na BN???
    Esse era outro da corriola golpista do Vargas, o torturador!!!

    Curtir

  7. Uma correção. Oswaldo Aranha presidiu a Assembleia das Nações Unidas que criou o Estados de Israel. Essa coisa de dividir a palestina e coisa de jornalista comunista petista. As terras de Israel pertencem a eles a mais de 6 mil anos e apenas retornaram aos donos originais. Oswaldo Aranha e homenageado em Israel ate hoje. Ele sempre entendeu que a região pertencia aos Judeus.

    Curtir