‘O Filho Eterno’ é para chorar – mas não para quem gosta do livro

Diretor Paulo Machline optou por se distanciar da história de traços autobiográficos de Cristóvão Tezza e perdeu especialmente ao abrir mão das digressões

O Filho Eterno, longa-metragem que estreia nesta quinta-feira, vem acompanhado de uma dupla expectativa. Por um lado, por tratar de um tema raro no cinema, a Síndrome de Down. Por outro, por levar para a tela um dos livros mais elogiados e premiados da literatura brasileira dos últimos anos. O romance de mesmo nome do catarinense Cristóvão Tezza, lançado pela Record em 2007, arrebataria críticas positivas e todos os principais prêmios no ano seguinte: o Jabuti, o Prêmio São Paulo de Literatura e o Portugal Telecom. No primeiro ponto, o filme se mostra acertado por renunciar ao sensacionalismo em prol de uma visão realista da síndrome. No segundo, porém, ele falha. O Filho Eterno se enfraquece na conversão para o cinema, especialmente por deixar de lado as digressões que dão vigor ao livro.

É um longa, como o romance, de fazer chorar, o que não necessariamente tem a ver com sensacionalismo. Ambos começam quando a bolsa da mãe estoura e o pai a leva, todo excitado com a chegada do primeiro filho, à maternidade. A descoberta, logo depois do nascimento, de que o filho é portador de uma síndrome que o acompanhará para o resto da vida e limitará as suas capacidades intelectuais, é um baque para o pai, que, assim como a mãe, não tem nome no romance. É preciso ter déficit de empatia para não partilhar do sofrimento do personagem. Mesmo quando, a partir daí, Tezza explora sem filtro nem pudor a dor e as fantasias de um pai que chega a torcer para que o filho tenha um sério problema cardíaco, comum a portadores da síndrome, e morra logo, deixando-o novamente livre.

É justamente por desperdiçar esse material que o filme se desidrata — não a fantasia da morte precoce, esta está lá, mas muito fica de fora. É verdade que é difícil injetar elongações em um filme, mas o fato é que a história padece desse corte. O próprio livro perde força da metade para o fim, quando as divagações são substituídas pelas memórias do pai, que lembra o período em que morou em Portugal, a temporada em que foi clandestino na Alemanha, a adolescência e a juventude regadas a álcool e a leituras socialistas. No filme, então, a debilidade da troca é maior. Aqui, o pai, batizado de Beto (o humorista Marcos Vera muito bem em um papel dramático), não apenas tem dúvidas, angústias ou pensamentos recrimináveis em relação ao filho (o ótimo Pedro Vinicius). Sua relação com a mãe, que no romance mal aparece e aqui se chama Claudia (a sempre boa Debora Falabella) ganha uma trama, como para manter o espectador atento ao que se desenrola na tela: o filho com Down os põe em conflito, Beto é egoísta, grosseiro e mal humorado, além de vaidoso, bebe todos os dias fora de casa e trai a esposa.

O distanciamento tomado pelo filme em relação ao livro foi uma escolha do diretor, Paulo Machline, dos longas Natimorto, adaptação do romance de Lourenço Mutarelli, e Trinta, a cinebiografia do carnavalesco Joãozinho Trinta estrelada por Matheus Nachtergaele. Sua ideia, conta, era tornar a história mais “acessível” para o grande público. “O grande desafio para adaptar um livro tão importante era humanizar a história. Sair da alta literatura para um filme que tivesse uma acessibilidade maior, para que as pessoas se vissem”, diz.

Tezza, segundo Machline, deu toda a liberdade para que ele adaptasse o livro da forma que quisesse. “Tive algumas conversas com o Cristóvão e quis saber quais eram as expectativas dele. Afinal, o autor às vezes fica frustrado e eu não queria que isso acontecesse. Ele me deu total liberdade. ‘O livro é meu, e o filme é seu.’ Isso fez com que a gente escolhesse o caminho de uma livre adaptação. O filme tem elementos que não estão no livro, como o avô, a mãe da criança.”

O plano é compreensível. O cinema pressupõe um investimento alto e é a venda de ingressos que ajuda a pagar esse investimento. Não deixa de ser uma pena, porém, que se desperdice um bom material.