Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mujica lidera contrabando de maconha em comédia uruguaia

O lançamento do filme será feito quase dois meses após o início da venda legal de maconha em farmácias uruguaias, que ocorreu em 19 de julho

O ex-presidente do Uruguai José Mujica lidera uma missão secreta de contrabando de 50 toneladas de maconha dos Estados Unidos para seu país na comédia Missão Não Oficial, um filme feito de forma “clandestina” segundo seus produtores, Alfonso Guerrero e Denny Brechner.  O longa estreará nos cinemas uruguaios no dia 7 de setembro.

Brechner também interpreta o personagem Alfredo Rodríguez, um farmacêutico e agente secreto que preside a fictícia Câmara Uruguaia da Maconha Legal e, a pedido de Mujica, embarca ao lado de sua mãe e de um policial em uma missão para fornecer maconha ao Uruguai.

Veja também

“O Uruguai estava desabastecido de maconha, havia uma promessa eleitoral de que o povo a teria, o que não estava sendo cumprido porque a burocracia havia atado os pés e as mãos do governo, fazendo Mujica buscar uma alternativa”, diz Brechner. “Ele é um presidente pobre, então tivemos que buscar recursos. Foi uma missão discreta, não pudemos contar com grandes luxos, mas intelectualmente e com seu passado de ex-guerrilheiro, (Mujica) tem muita experiência e por esse lado nos ajudou muitíssimo.”

O lançamento do filme será feito quase dois meses após o início da venda legal de maconha em farmácias uruguaias, que ocorreu em 19 de julho. Mas o filme, produzido em conjunto pela Pardelion Films e pela Loro Films, começou a ser idealizado em 2014, após a legalização da compra e venda da droga no Uruguai, por conta do vídeo de uma “pegadinha” em uma farmácia que se popularizou no YouTube.

“Agora, as farmácias estão vendendo maconha, já é um assunto que deixou de ser tabu. Vamos revelar, mas queremos que seja nas salas de cinema, que as pessoas vão assistir e se informem da realidade, do que aconteceu e do que não sabem”, afirmou Brechner encarnando o personagem, já em um tom mais realista. “O filme foi em si clandestino, não recorremos às verbas (estatais) para o desenvolvimento, que são elementos fundamentais para o cinema nacional, porque ainda não podíamos revelar esta missão, este segredo.”

A respeito da forma como a história foi construída, Guerrero, que também teve como colega de produção outro uruguaio, Marcos Hecht, ressaltou que não foi elaborado um roteiro “rígido”, já que a história se desenvolveu com os fatos. “Tivemos que trabalhar com todo esse material que foi surgindo, porque o que fazíamos era captar o que acontecia (na realidade). Havia uma base da história, mas nem tudo estava roteirizado de forma definitiva”, explicou.

 

O produtor contou que o filme foi rodado em Denver, onde a maconha é legalizada, em Nova York, em Washington e em Montevidéu. Além disso, quanto à decisão de não revelar o desenvolvimento da trama, Guerrero afirmou que se trata de um segredo que o público descobrirá depois assistir ao filme.

“É uma comédia, mas com uma história secreta por trás, e por isso preferimos guardar um pouco, ou seja, para que as pessoas vão ao cinema e aí que descubram realmente do que se trata esse segredo e que cada um tire suas conclusões”, ressaltou. “Há reviravoltas inesperadas na história, e, de certa forma, o filme é como um grande truque de mágica que preferimos não revelar.”

O personagem de Brechner acrescentou que, além da história “oficial” da maconha no Uruguai, a intenção é contar ao mundo o que é “não oficial”, a “história secreta”. Mujica é “um líder excepcional” para operações secretas, brincou. “A verdade é que tivemos um vínculo muito próximo, e sou muito agradecido”, concluiu.

(Com agência EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alex Sandro Silva

    No filme faltou o sócio do Mujica, o 9,5 dedos.

    Curtir