Morre Zygmunt Bauman, criador do conceito de modernidade líquida

Sociólogo e filósofo polonês tinha 91 anos

Morreu nesta segunda-feira o educador, sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman. Conhecido como criador do conceito de modernidade líquida, Bauman, 91 anos, faleceu na cidade de Leeds, onde vivia. A notícia foi dada pelo jornal Gazeta Wyborcza

Um dos mais proeminentes intelectuais do século XX, Bauman nasceu na Polônia, em 1925. De origem judia, o sociólogo deixou o país com sua família ainda na infância para fugir da perseguição nazista. Instalou-se na URSS, onde viveu até 1968, após ser expulso do Partido Comunista. Mudou-se para Tel -Aviv e depois para a Inglaterra, onde produziu a maior parte de seus escritos. 

O padrão volátil dos relacionamentos e do consumo era um dos temas caros ao sociólogo, e foi dissecado em livros como Vida para Consumo, Tempos Líquidos, A Sociedade Individualizada, Modernidade Líquida, O Mal-Estar da Pós-Modernidade, Amor Líquido e Capitalismo Parasitário são alguns de seus textos que fizeram sucesso pelo mundo.

Editora Zahar é a principal responsável pela obra de Bauman no Brasil. Para janeiro, a casa publicadora já prepara o lançamento de um novo escrito do autor, Estranhos à Nossa Porta, uma reflexão sobre a crise migratória atual. 

Sua obra foi reconhecida com diversos prêmios, entre eles o Príncipe das Asturias de comunicação e humanidades, em 2010.

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Se filosofia tivesse mais poder de influência sobre a mente humana do que credos, seríamos menos animais.

    Curtir

  2. Odilon Barbosa

    se o homem se deixasse guiar mais pela filosofia , não seríamos feras , mas genuinamente humanos .

    Curtir

  3. Se o mundo tivesse menos homens líquidos e mais Zygmunt Bauman, as sociedades desvendaria o enigma de Tebas.

    Curtir

  4. Que falta do que publicar. Grande inutilidade que esse sociólogo fez e algum ignorante que se chama jornalista acha que isso e noticia.

    Curtir