Morre o ator Gene Wilder, o Willy Wonka, aos 83 anos

Ator da primeira versão de ‘A Fantástica Fábrica de Chocolate’ faleceu em decorrência de complicações do Alzheimer

O ator Gene Wilder, conhecido por filmes como O Jovem Frankenstein (1974) e A Fantástica Fábrica de Chocolate (1971) morreu aos 83 anos, segundo informou sua família à agência Associated Press. Segundo Jordan Walker-Pearlman, sobrinho do americano, o ator morreu no domingo em sua casa em Stamford, no Estado de Connecticut, em decorrência de complicações do Alzheimer.

LEIA TAMBÉM:
‘O Jovem Frankenstein’ entre os filmes mais engraçados da história

Em um comunicado, seu sobrinho falou sobre o tio. “Entendemos que apesar de todos os desafios emocionais e físicos que essa situação nos trouxe, estivemos entre os sortudos – essa doença, ao contrário do que acontece em muitos casos, nunca tirou a habilidade dele de reconhecer aqueles que eram próximos dele”, disse.

“A decisão de esperar até este momento para divulgar sua condição não foi tomada por vaidade, mas para que as inúmeras crianças que dariam um sorriso ou o chamariam de ‘Willy Wonka’ não tivessem que ser expostas a uma referência adulta de uma doença ou problema, fazendo com que a alegria fosse substituída por preocupação, desapontamento ou confusão. Ele não poderia suportar a ideia de um sorriso a menos no mundo”, afirmou. Segundo Walker-Pearlman, o ator continuou a apreciar “arte, música e beijos com sua mulher, Karen”, com quem esteve nos últimos 25 anos.

Wilder começou sua carreira na Broadway, onde fez várias peças, como One Flew Over the Cuckoo’s Nest e Dynamite Tonight, mas ficou famoso por sua parceria com o ator e diretor Mel Brooks no cinema. Os dois se conheceram em 1963 por intermédio de Anne Bancroft, que estrelou a peça Mother Courage and Her Children na Broadway com Wilder e se casou com Brooks no ano seguinte. O primeiro projeto dos dois foi o longa Primavera para Hitler (1967), roteirizado e dirigido por Brooks e pelo qual Wilder recebeu sua primeira indicação ao Oscar, por melhor ator coadjuvante.

Os dois atores também fizeram juntos O Jovem Frankenstein (1974), que rendeu à dupla uma indicação ao Oscar de melhor roteiro adaptado. A parceria de Wilder e Brooks ainda resultou no filme Banzé no Oeste (1974), indicado a prêmios em três categorias no Oscar: melhor atriz coadjuvante para Madeline Kahn, melhor edição e melhor canção original.

Outro grande papel de Wilder foi no filme A Fantástica Fábrica de Chocolate, em que o ator interpretou Willy Wonka, dono de uma fábrica de doces que encantou gerações. Segundo o site da revista The Hollywood Reporter, Fred Astaire e Joel Grey estavam cotados para o longa, mas o diretor Mel Stuart quis Wilder no papel, que, em 2005, seria de Johnny Depp, no remake que Tim Burton fez da produção.

Outra grande parceria de Wilder foi com o ator Richard Pryor, com quem ele trabalhou nas comédias O Expresso de Chicago (1976) e Loucos de Dar Nó (1980) – dois sucessos de bilheteria – e Cegos, Surdos e Loucos (1989) e Um Sem Juízo, Outro Sem Razão (1991) – que não foram tão bem recebidos como os primeiros.

Ao lado de sua terceira mulher, Gilda Radner, o ator estrelou A Dama de Vermelho (1984), filme que o americano também dirigiu. A atriz, porém, morreu poucos anos depois, em 1989, em decorrência de um câncer de ovário, e a perda abalou Wilder profundamente. Ele passou, então, a trabalhar pela conscientização da doença, ajudando a fundar o Centro de Identificação de Câncer de Ovário Gilda Radner, em Los Angeles.

Desde essa época, ele passou a trabalhar em novos projetos de maneira irregular – fez alguns longas e alguns filmes para a TV, além de participações em seriados. Em 2003, ganhou um Emmy por uma participação no seriado Will & Grace. Ele voltou a se casar em 1991, com Karen Boyer.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Clara Eñelee Kornetz Alves

    Sei que este texto é uma tradução, mas vocês não poderiam deixar de falar do já falecido ator Richard Pryor, que fez junto com Gene Wilder, filmes maravilhosos. Que êles se reúnam no céu dos atores, e façam Deus rir muito, para esquecer as maldades que seus filhos são capazes de fazer.

    Curtir

  2. Cláudio Moura

    O Jovem Frankenstein (1974) O melhor.

    Curtir

  3. Vai-se um grande comediante e ator. O tempo passa tão rápido! Guardarei seus filmes em minha coleção.

    Curtir

  4. Aloisio Barros

    Uma grande perda para o mundo. Um dos maiores atores que já ví. Que Deus o tenha em seu reino e lhe dê o descanso.

    Curtir

  5. Maria Helena Oliveira

    me lembro dele no filme do woody allen, “tudo o que vc queria saber sobre sexo e nunca teve coragem de perguntar”, ele era um médico que acabava se apaixonando por uma ovelha!!!!!

    Curtir

  6. Cristhiano Daniel Fritzen

    A participação dele no filme “O Pequeno Príncipe” também foi encantadora. Descanse em paz!

    Curtir