Miley Cyrus larga as drogas: sem maconha, nem pop festeiro

Cantora promete um novo álbum mais autoral, com músicas dedicadas a Liam Hemsworth e Hillary Clinton

Miley Cyrus é uma nova mulher. A moça de 24 anos afirmou em entrevista à revista Billboard que não fuma mais maconha nem bebe, e pretende transformar sua carreira com um novo álbum autoral. O pop festeiro ficará de lado para dar lugar às suas raízes musicais, como o country.

A cantora vai lançar no dia 11 de maio uma nova música, intitulada Malibu, escrita enquanto ela estava em um Uber, e inspirada no namorado Liam Hemsworth, com quem vive na cidade californiana. Entre outras surpresas do novo álbum, que ainda não tem data de lançamento, está uma canção dedicada a Hillary Clinton, e outra sobre mulheres no mercado de trabalho.

Miley, contudo, afirma que seu novo trabalho não será político, mas sim autoral e pessoal. “Eu nunca acreditaria se, há três anos, você me dissesse que eu estaria escrevendo estas músicas agora. Minha maior preocupação não é o rádio, fazer hits. Eu realmente não ouço isso”, disse à publicação.

A loira ainda revelou que não foi só seu estilo musical que mudou recentemente. “Eu não fumo maconha há três semanas, é o máximo de tempo que já consegui ficar sem. Loucura. Não estou usando drogas nem bebendo, estou completamente sóbria”, disse. Conhecida por não se intimidar ao fazer apologia às drogas, a cantora contou que não foi difícil parar de usá-las. “Quando eu quero alguma coisa, é muito fácil para mim. Se alguém tivesse me obrigado a parar, eu não teria parado. Fiz porque estava no meu tempo. Eu sei exatamente onde estou agora”, completa.

Ela explica que o intuito do seu novo álbum é tentar unir as pessoas, e que não tem medo de soar sentimental. “É um reflexo do fato de que sim, eu não dou a mínima, mas agora não é um momento para não dar a miníma sobre as pessoas. Estou dando um abraço no  mundo e dizendo: ‘Ei, olhe. Nós somos bons – eu te amo.’ E espero que você possa dizer que me ama de volta”, analisa.

Miley Cyrus começou sua carreira como estrela da série infantil da Disney, Hannah Montana, em que cantava músicas românticas e country. Em 2013, lançou o elogiado disco Bangerz, com hits pops e assumiu uma personalidade distante do ídolo infanto-juvenil, rebolando e lambendo tudo que via pela frente. O último álbum da cantora foi Dead Petz, um trabalho mais experimental, lançado gratuitamente na internet em 2015.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ou seja, agora que percebeu que o estilo que escolheu não dá dinheiro e é rejeitado por grande parte do público vem dizer que mudou de estilo porque amadureceu. Conta outra…

    Curtir

  2. Raimundo Lima

    COMO CANTORA ELA É PESSIMA, COMO PESSOA É UM LIXO.

    Curtir

  3. Parabéns para ela. Que Deus abençoe suas novas intenções.

    Curtir

  4. Adilson Nagamine

    Dependente da maconha? Narcóticos anônimos

    Curtir

  5. Canção dedicada à Hillary Cleanton? E depois ainda afirma que parou de usar drogas?

    Curtir

  6. Marcelo Araújo

    “Lambendo tudo o que via pela frente”…só tem titica de galinha na cabeça…

    Curtir

  7. Suprassumo Top

    Heheh, o efeito Trump é bem amplo. Em vez de promover a ‘festa da vida’, onde tudo é facil, os ‘artistas’ terao que produzir MUSICA! Esse é o efeito da ‘extrema-direita’ sobre a sociedade, ao contrario do efeito da esquerda, onde tudo é estagnado, tudo é COITADISMO.

    Curtir

  8. Andrey Tchepurnoy

    Esse maiô tá zuado heim…..cantando de maiô tá pior que a Xuxa nos anos 80

    Curtir

  9. Reinaldo Favoreto

    ela vai se afastar dela mesma?

    Curtir

  10. Put@#, vai continuar sendo Put@

    Curtir