Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ícone do cinema, Alain Delon anuncia o fim da carreira aos 81

Delon participou de pelo menos 80 filmes em 50 anos de carreira e marcou gerações com clássicos como 'O Leopardo'

Alain Delon, de 81 anos, lenda do cinema francês e europeu, anunciou nesta terça-feira que vai colocar um ponto final em sua sua carreira depois de rodar um filme com Juliette Binoche e estrelar uma última peça de teatro. “Eu tenho a idade que tenho. Fiz a carreira que fiz. Vou fechar o ciclo com um filme e uma peça de teatro magníficos. Não é o fim de uma vida, mas de uma carreira”, disse. Delon participou de pelo menos 80 filmes em 50 anos de carreira e foi dirigido por grandes cineastas, como Melville, Visconti, Losey, ou Antonioni. Além de se sagrar como um dos homens mais bonitos do cinema, marcou gerações com sua atuação em Rocco e Seus Irmãos (1960), O Leopardo (1963) e O Samurai (1963), entre outros.

No final do ano, Delon vai rodar um filme sob a direção do francês Patrice Leconte. A nova produção chega às telas em 2018. “Será uma bela história de amor. Ainda não há título, mas meu personagem vai se parecer um pouco comigo na vida: um homem da minha idade, caprichoso, furioso, mas que descobrirá o amor antes de partir.”

Delon disse esperar que a produção seja selecionada em Cannes, “para voltar e se despedir” do maior festival de cinema do mundo. “Depois desse último filme, acabarei minha carreira com uma magnífica obra de teatro escrita por mim mesmo, Le Crépuscule d’un Fauve, de Jeanne Fontaine”, contou.

Delon rodou seu último filme, Astérix nos Jogos Olímpicos, em 2008. Sua popularidade sofreu uma queda nos últimos anos, especialmente por suas posições a favor do partido da extrema direita francesa Frente Nacional, da pena de morte, ou sobre a homossexualidade, a qual ele considera “contra as leis naturais”.

(Com agência France-Presse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rogério Ruminski

    Tão belo e talentoso na juventude…..tão fascista na decrepitude. Definitivamente, para alguns, os anos não trazem sabedoria.

    Curtir