Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Filme francês ‘Intocáveis’ pode ter remake brasileiro

Paris Produções firmou acordo com empresas estrangeiras para troca e adaptações de roteiros de cinema

A Paris Produções firmou uma parceria de coprodução internacional com a Globalgate Entertainment, empresa que tem como membros produtoras independentes do mundo todo, como a Gaumont (França), Lionsgate (EUA), Televisa (México), e Wanda (China). A ideia da parceria é fazer com que a Paris tenha acesso a diversos roteiros e projetos que estão sendo ou foram desenvolvidos lá fora e adaptá-los localmente e também disponibilizar produções brasileiras para ser adaptadas no exterior. Segundo um dos sócios da Paris Produções, Sandi Adamiu,  já existem planos para versões brasileiras de sucessos europeus. “A gente já mostrou interesse pelo remake do filme francês Intocáveis (2011). E pretendemos oferecer Até que a Sorte Nos Separe, e Internet – O Filme, que é o nosso próximo lançamento”, afirma.

A parceria funciona como um escambo de roteiros e contribuirá para a diversidade e disseminação da produção nacional. “A ideia é que essas empresas peguem esses roteiros de sucesso local e adaptem para o seu mercado. Por exemplo, Até Que a Sorte Nos Separe pode ser que funcione na Turquia ou na Dinamarca, com essa parceria eles podem acessar esse roteiro e adaptar”, explica Adamiu.

Responsável por longas nacionais como Carrossel: O Filme (2015) e Mais Forte que o Mundo (2016), a Paris Produções começará a negociar com as empresas estrangeiras da Globalgate em dezembro deste ano, quando a produtora terá sua primeira reunião para descobrir com quais roteiros pode trabalhar. Por isso, ainda não há previsão de quando sucessos europeus podem ganhar sua versão brasileira ou quando as comédias nacionais chegarão aos cinemas estrangeiros. “Nós também podemos investir nos remakes. Se a França decidir rodar Até Que a Sorte Nos Separe, posso investir e entro como coprodutor. É uma parceria puramente de desenvolvimento de conteúdo, mas é uma abertura para o Brasil voar”, completa Adamiu.