Corpo do cantor Belchior é velado em Fortaleza

Cantor, que morreu na noite de sábado, será sepultado no Ceará

Do lado de fora, uma multidão aguardava. Uns cantavam. Outros choravam. Do outro lado da grade de entrada do Centro Cultural Dragão do Mar, em Fortaleza, a família de Belchior velava o cantor, que havia sumido, voluntariamente, há oito anos.

Morto na noite deste sábado, em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, Belchior voltou para o Estado natal para ser sepultado. Depois do velório em Sobral, município a 240 km de distância de Fortaleza, onde o músico nasceu e viveu até os 16 anos, o corpo foi transportado até a Fortaleza. Às 15h, chegou ao Dragão do Mar e foi recebido por familiares próximos. Por 40 minutos, a família teve seu tempo para reencontrar o parente, que abandonou tudo e desapareceu em 2009.

O corpo de Belchior foi recebido sem pompas. Na sala onde é velado, cinco coroas de flores rodeiam o caixão. Foi montado um caminho para que o público pudesse prestar suas homenagens – a família tem um espaço reservado. Do lado de fora, fãs se apertavam em uma fila que seguia por metros, serpenteando pelo espaço externo do centro cultural. Alguns ambulantes vendiam água, cerveja e refrigerante, mas todo o comércio no entorno estava fechado.

Logo que os portões foram abertos e o público, liberado para entrar, uma confusão teve início e os poucos seguranças presentes precisavam conter a briga. O empurra-empurra foi resolvido e o público seguiu, em fila indiana, em direção à sala onde está Belchior. No caminho, duas caixas de som tocam canções do compositor e um telão exibe fotos.

O corpo permanecerá no Centro Cultural Dragão do Mar até a terça-feira, 2. Às 7h, será realizada uma missa em homenagem ao artista. Na sequência, Belchior será levado para o Cemitério Parque da Paz. O sepultamento está marcado para ocorrer às 9h.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. marcelo duarte

    Há tempo muito tempo que eu estou longe de casa
    E nessas ilhas cheias de distância
    O meu blusão de couro se estragou
    Ouvi dizer num papo da rapaziada
    Que aquele amigo que embarcou comigo
    Cheio de esperança e fé, já se mandou
    Sentado à beira do caminho pra pedir carona

    Tenho falado à mulher companheira
    Quem sabe lá no trópico a vida esteja a mil
    E um cara que transava à noite no “Danúbio azul”
    Me disse que faz sol na América do Sul
    Que nossas irmãs nos esperam no coração do Brasil

    Minha rede branca, meu cachorro ligeiro
    Sertão, olha o Concorde que vem vindo do estrangeiro
    O fim do termo “saudade” como o charme brasileiro
    De alguém sozinho a cismar

    Curtir

  2. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    “Se você vier me perguntar por ande andei
    No tempo em que você sonhava
    De olhos abertos te direi, amigo eu me desesperava
    Sei que assim falando pensas que este desespero é moda em 73
    E eu ando um pouco descontente
    desesperadamente eu falo em português
    Tenho 25 anos de sonho e de sangue e de América do Sul
    Mas por força do meu destino
    um tango argentino me pega bem melhor que um blues
    Sei que assim falando pensas que este desespero é moda em 73
    Eu quero é que este canto torto, feito faca, corte a carne de vocês”

    Curtir

  3. marcelo duarte

    Gente de minha rua, como eu andei distante
    Quando eu desapareci, ela arranjou um amante.
    Minha normalista linda, ainda sou estudante
    Da vida que eu quero dar

    Curtir