Documentário desnuda intimidade de Laerte: ‘Hora de tirar o véu’

Trailer da primeira produção documental da Netflix no Brasil traz Rafael Coutinho, filho da cartunista, e a questão de gênero

Escolhido como tema do primeiro documentário brasileiro da Netflix, a cartunista Laerte fala em “tirar os véus” no trailer de Laerte-se, com estreia prevista para 19 de maio. A produção apresenta Laerte em sua intimidade, forma de tocar em assuntos que para ela são ao mesmo tempo pessoais e políticos, caso da sua transição de gênero, questão de fundo do documentário.

O filme mescla depoimentos de Laerte e conhecidos, entre eles o filho Rafael Coutinho, também cartunista, com tirinhas em que o artista aborda a sua mudança. Rafael Coutinho, que ainda a chama de “pai”, conta que combinou com Laerte de o filho o chamar de “vovô”. Em seguida, Laerte aparece brincando com o neto.

Em outra cena, a cartunista Laerte surge discutindo se coloca próteses nos seios com a cantora Rita Lee, que retirou as mamas para se prevenir contra o câncer. “Não coloca, não, dá muito trabalho”, diz Rita. “Mas saco é um saco”, argumenta Laerte, ao que a cantora aquiesce.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Eliane Moura

    Quem pagou essa porcaria?

    Curtir

  2. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Que lixo deve ser isso. E assim caminha a humanidade…

    Curtir

  3. Guilherme Silva

    A questão de gênero que mais importa: “Quantos gêneros existem?” Resposta: “2”.
    É a V e j a tirando o véu.

    Curtir

  4. Vai criar vergonha na cara rapá…

    Curtir

  5. Ailton Araújo

    Esse sujeito é uma grande aberração esquerdista.

    Curtir

  6. É a decadência plena! Por falar nisso, esse cara é um ele, não uma ela.

    Curtir

  7. Era um ótimo cartunista… mas agora é apenas uma paródia de si mesmo.

    Curtir

  8. Almerio P. Gaertner

    Sodoma e Gomorra

    Curtir

  9. Glauco M V de Paula

    que b…

    Curtir

  10. Roberto Negromonte Santos Negromonte

    Porque ao invés de querer sempre “causar”, constranger família e colegas, esse doente simplesmente não se suicida?.

    Curtir