DiCaprio e ‘O Regresso’ são os principais vencedores do Bafta

Longa de Alejandro González Iñárritu ganha força para o Oscar ao sair vencedor do prêmio britânico

O Regresso, do mexicano Alejandro González Iñárritu, ganhou os prêmios de melhor filme, direção e ator na cerimônia do Bafta neste domingo à noite, em Londres. Como melhor diretor, Iñárritu superou Adam MacKay (A Grande Aposta), Steven Spielberg (Ponte dos Espiões), Todd Haynes (Carol) e Ridley Scott (Perdido em Marte).

O mexicano dedicou o prêmio à esposa, por vinte e quatro anos de um casamento que são, segundo ele, uma “história de heroísmo e sobrevivência”, em uma referência bem-humorada a seu filme estrelado por Leonardo DiCaprio. Outro vencedor da noite, com o Bafta de melhor ator, DiCaprio é considerado um dos principais nomes na corrida pelo Oscar deste ano, em Hollywood, que acontece em 28 de fevereiro próximo. O prêmio britânico corroborou seu favoritismo. Também competiam nesta categoria os atores Bryan Cranston (Trumbo), Matt Damon (Perdido em Marte), Michael Fassbender (Steve Jobs) e Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa).

Leia também:

DiCaprio enfrenta a selvageria da natureza e do homem em ‘O Regresso’

Seis livros que inspiraram filmes indicados ao Oscar 2016

Confira a lista de indicados ao Oscar 2016

Já o Bafta de melhor atriz foi para Brie Larson, por O Quarto de Jack, outra favorita ao prêmio da Academia de Hollywood, superando as indicadas Cate Blanchett (Carol), Saoirse Ronan (Brooklyn), Maggie Smith (A Senhora da Van) e Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa). Mark Rylance levou o prêmio de melhor ator coadjuvante, por Ponte dos Espiões, e Kate Winslet de melhor atriz coadjuvante, por Steve Jobs.

O argentino Relatos Selvagens, do diretor Damián Szifrón, conquistou o Bafta de melhor filme estrangeiro. Indicado ao Oscar de 2015, o filme dos hermanos disputava a estatueta britânica com A Assassina (Taiwan), Força Maior (Suécia, Dinamarca, França e Noruega), O Lobo do Deserto (Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Qatar e Reino Unido) e Timbuktu (França e Mauritânia).

(Da redação com agência France-Presse)