Desculpe, Gregorio, mas seu filme é muito ruim

‘Desculpe o Transtorno’, comédia romântica que protagoniza com a ex, Clarice Falcão, se apoia em clichês e estereótipos

Se era para servir de homenagem ao romance que viveu com a ex Clarice Falcão, sua companheira por cinco anos, de 2009 a 2014, Gregorio Duvivier ficou devendo. Desculpe o Transtorno, comédia romântica de Tomas Portella que estreou nesta quinta-feira com o ator no papel principal e Clarice como a menina por quem seu personagem se apaixona, é fraca de doer. Apoiado em clichês e estereótipos do que seriam um carioca e um paulistano, e também na atuação de Duvivier, uma base sólida como areia de praia, o filme se arrasta por cerca de uma hora e meia entre piadas bobas – “Dostoiévski? Eu não li nenhum Toiévski” – e cenas que parecem saídas de um comercial de operadora de celular. É triste, quando devia ser divertido.

LEIA TAMBÉM:
Rafinha Bastos ‘ensina’ a Gregorio Duvivier o que é amor
Gregorio Duvivier sobre Clarice Falcão: amor ou negócios?
Gregorio Duvivier solta ‘Fora Temer’ ao vivo em afiliada da Globo

Se era para aquecer a carreira de ator de Duvivier, Desculpe o Transtorno também falhou. Duvivier se sai razoavelmente bem em esquetes do Porta dos Fundos, mas em voos maiores, como no longa Apenas o Fim (2008), falta fôlego a ele. Pode-se alegar que Apenas o Fim era um drama calcado em diálogos – um filme que pretendia ser um novo Antes do Amanhecer, de Richard Linklatere, portanto, terreno árido para o ator. Mas Desculpe o Transtorno tem humor – uma piada tosca atrás da outra, mas vá lá – e nem assim Gregorio engrena. Chega a ser constrangedor vê-lo patinar em cena.

O ator faz Eduardo, um carioca que ainda criança se muda para São Paulo com o pai, quando a mãe pede o divórcio. Já adulto, trabalhando para esse mesmo pai (Marcos Caruso), que tem uma empresa de registro de patentes, Eduardo recebe a notícia de que a mãe morreu, e toma um avião para o Rio. Tem início, então, uma sucessão de pontes-aéreas e de trocas de personalidade: no Rio de Janeiro, onde passou a infância sob o apelido de Duca, o estresse do luto desencadeia um transtorno de personalidade pelo qual o personagem se alternará entre Eduardo, seu avatar paulistano, que é noivo da patricinha Viviane (Dani Calabresa), e Duca, o carioca, que conhece Bárbara (Clarice) ainda no aeroporto e se envolve com ela. Bárbara trabalha travestida de coelho no Galeão, onde aparece, sob a pele de pelúcia rosa, segurando balões vermelhos na mão, em cenas que parecem saídas de um comercial feito para emocionar. É esse embate entre seus dois eus que o personagem terá de enfrentar para decidir quem de fato será na vida – e, claro, com quem ficará.

Descrito assim, o enredo pode até parecer interessante. O resultado, no entanto, é pífio, para não dizer embaraçoso. Gregorio não dá conta de se dividir em dois, mas a culpa do fiasco não é só dele. O roteiro, construído a partir do estereótipo do que é ser paulistano (trabalhador, sério, sem ginga, alguém que dá valor ao serviço de um estabelecimento e acha a pizza) e carioca (extrovertido, relaxado, sangue-bom, avesso ao trabalho) é raso como piscina infantil. E a edição, lenta demais, dá ao filme um ritmo que faz seus 95 minutos parecerem uma eternidade.

Se era para fechar com honra o relacionamento entre Clarice e Gregorio, Desculpe o Transtorno deu ao casal um final chocho. O que pode ter funcionado, entre todas as tentativas ligadas ao filme, foi a de Gregorio usar sua coluna na Folha de S.Paulo para fazer propaganda da produção – com o texto “Desculpe o transtorno, preciso falar da Clarice”, publicado na última segunda-feira. Se a ideia era fazer marketing, como logo se suspeitou, isso sim deu certo. Afinal, se o texto não tivesse sido amado e odiado pelas redes sociais, despertando enorme curiosidade sobre o longa, esta resenha talvez nem mesmo existisse.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antonio Cesar Landi Junior

    Duas coisas: 1) muito ruim é o Gregorio Duvivier e 2) Fora Duvivier!!!

    Curtir

  2. Claudio Stainer

    O Duvivier é melhor em falatório contra o impeachment consumado e mantendo o Luladravaz ~cativo em seu coração.

    Curtir

  3. Esse é o talento petralha

    Curtir

  4. César Augusto

    Segundo fracasso cinematográfico do Duvivier em 2016.

    Curtir

  5. wilson de souza lima

    Quem gostou das piadas desse pessoal de rostinho bonitinho quando o grupo surgiu e consegue se lembrar delas, não precisa assistir mais nada que eles produziram de lá para cá. O que eles vêm conseguindo produzir, e cada vez pior, é apenas mais do mesmo. São estorinhas bobas e muito ruins que se repetem, mudando apenas de cenário. Enquanto houver gente sem noção disposta a vê-los, vão seguir se repetindo.

    Curtir

  6. Um verdadeiro L-I-X-O!

    Curtir

  7. Qua to da Lei Rouanet para essa bosta de filme?

    Curtir

  8. Rodrigo Perinasso Decares

    Esse cara não consegue fazer um video de 3 minutos engraçado, imagina um filme de quase 2 horas…

    Curtir

  9. Eduardo Telles

    Ha ha ha. Pede para sair petralha!

    Curtir

  10. Mairipora Peixoto

    tem gente que paga pra ver isso?

    Curtir

  11. Maior elogio ao filme é essa revista golpista falando mal.

    Curtir

  12. marcio rodrigo barbosa

    pegou rouanet pra isso? Gregorio Duvivier FAÇA MAIS UM FILME LIXO QUE VC PEDE UMA MUSICA NO FANTÁSTICO

    Curtir

  13. marcio rodrigo barbosa

    pegou rouanet pra isso? Gregorio Duvivier FAÇA MAIS UM FILME LIXO QUE VC PEDE UMA MUSICA NO FANTÁSTICO
    ForaFilmeLixo

    Curtir

  14. Leo Pensamento Livre

    O carinha chato esse Divivier, o mesmo personagem em tudo que faz.

    Curtir

  15. José Carlos Colodette

    Esse é o cara que quer a esquerda na poder pra continuar pegando nossa grana pra fazer essas porcarias. Um medíocre.

    Curtir

  16. Paulo Cesar Martins

    Como todo PeTralha, ” Não vi e não gostei” , só gosto do que eu faço.

    Curtir

  17. Damastor Dagobé

    o problema de filme brasileiro é a língua…deviam dublar tudo em inglês. A prova disso é que o melhor filme estrangeiro fica intragável quando dublado ainda mais no sotaque de piracicaba porrrta, porrrteira e porrrtão…quando ouvimos algo em nossa língua tudo soa como besteira ou mentira….quando nao os dois.

    Curtir

  18. William Domingues

    Kkk esse é o talento q defende o indefensável, PT, Lula, Dilma e CIA. É assim q esse partido escolhe seus ministros, se defender a causa tá ótimo, não precisa ser competente.

    Curtir