Conheça a menina que inspirou ‘A Culpa É das Estrelas’

Esther Grace Earl morreu em 2010 e era uma amiga do autor John Green

Nesta sexta-feira, a internet brasileira foi tomada pela história de Katie e Dalton Prager, que morreram com poucos dias de diferença, e são conhecidos nos Estados Unidos como o casal de carne e osso de A Culpa É das Estrelas, o best-seller de John Green levado ao cinema com Shailene Woodley (Divergente) no papel principal. A associação de Katie e Dalton com o enredo é, na verdade, posterior à eclosão do livro: os dois são chamados pela imprensa americana de “the real couple” (“o casal real”) de A Culpa pela semelhança entre a sua história e a de Green. O autor, porém, teve inspiração em outra pessoa para o livro: uma outra menina que ele conheceu e morreu de câncer em 2010, Esther Grace Earl.

LEIA TAMBÉM:
‘Verdadeira garota’ de ‘A Culpa É das Estrelas’ morre após marido

Esther morreu em 2010, aos 16 anos de idade, de câncer de tireoide. Ela era uma grande amiga do autor John Green, e apoiou seu desejo de escrever o livro. Em 2006, a garota foi diagnosticada com câncer e passou a ter dificuldades para respirar, necessitando de um tanque de oxigênio sempre ao lado. Esther tinha uma presença muito grande internet em redes sociais como Twitter e Tumblr, mas ficou bem conhecida por ser uma vlogger (na era pré-Youtubers) com vídeos engraçados.

Em 2009, John Green e a garota se conheceram em uma conferência de fãs de Harry Potter e ali iniciaram uma amizade, que durou até 25 de agosto de 2010, quando ela morreu. O autor lamentou muito a morte da amiga e até gravou um vídeo que foi publicado no canal dela no Youtube.

E foi a partir da história dela que Green encontrou a inspiração para escrever o seu best-seller, publicado em janeiro 2012. “Eu nunca poderia ter escrito este livro, se não tivesse conhecido Esther. Ela me apresentou muitas ideias, especialmente a esperança em um mundo que é indiferente aos indivíduos. Ela redefiniu o processo de morrer jovem para mim. Após conhecê-la, eu descobri que a vida curta poderia ser uma vida rica”, contou o autor em uma entrevista ao site Goodreads em 2012.

Após a morte da garota, John Green anunciou a criação do “Esther Day”, que seria comemorado anualmente no dia 3 de agosto, data de aniversário de Esther. A data tem como intuito celebrar a família e o amor, duas coisas que a adolescente prezava muito. Todos os anos, amigos, familiares e fãs dela continuam a celebrar o dia, e publicar seus próprios vídeos para lembrar Esther. Os pais de Esther, Wayne e Lori, fundaram uma organização sem fins uma organização sem fins lucrativos, com o nome de “This Star Won’t Go Out”, para ajudar as famílias que têm uma criança com câncer, honrando o nome da menina.

A garota teve sua história contada com suas próprias palavras no livro A Estrela que Nunca Vai se Apagar (Intrínseca), com prefácio de John Green, além de anotações dos pais de Esther. A menina começou a criar histórias aos 5 anos e nunca mais parou. Ela pretendia publicar suas cartas, diários e contos de forma independente, mas primeiro apresentou o trabalho para Green, que, por sua vez, mostrou a obra para seu editor, que decidiu publicá-la juntamente com fotos da família focando os últimos dois anos de vida da adolescente.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Muitas vezes através da dor conhecemos nossas inspirações mais profundas.

    Curtir