Cannes: Joaquin Phoenix brilha em filme que abusa da violência

'You Were Never Really Here', da inglesa Lynne Ramsay, traz o ator no papel de um matador de aluguel que tenta salvar uma menina de uma rede de pedofilia

Para uma coisa serviu a palhaçada de I’m Still Here, documentário falso que Joaquin Phoenix fez com seu então cunhado e vencedor do Oscar de melhor ator este ano Casey Affleck: ele voltou mais forte. Phoenix, que com frequência tendia ao exagero, emendou alguns dos melhores trabalhos de sua carreira, como Ela e O Mestre, depois disso. É o caso também de You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay, na competição do 70º Festival de Cannes, em que interpreta Joe, ex-soldado e ex-FBI que vira matador de aluguel. Sua última missão: salvar a adolescente Nina (Ekaterina Samsonov), filha sequestrada do Senador Votto (Alex Manette). Nina é presa de uma rede de prostituição e pedofilia envolvendo pessoas poderosas.

Lynne Ramsay é talentosa, e You Were Never Really Here é por vezes um potente estudo de um personagem traumatizado pelo abuso em seu próprio passado e consumido pela dor de viver ao lado de sua mãe (Judith Roberts), que apresenta sinais de demência. Mas tem um problema fundamental: usar um dos crimes mais hediondos que existem, a pedofilia, como mero pano de fundo para uma história que aposta na violência explícita como elemento cool. Por conta disso, o longa, que encerra a competição do 70º Festival de Cannes, causa um incômodo – e no mau sentido, o que explica as vaias que recebeu na sessão de imprensa na noite de sexta. Verdade que houve também aplausos, um sinal de que a busca pelo choque puro e simples dá resultado.