‘Big Brother África do Sul’ também teve suspeita de estupro. Acusado venceu o programa

Em 2009, um participante do reality show teria abusado da colega desmaiada após festa regada a álcool. Ele justificou o ato com a seguinte frase: "Isso é África"

A suspeita de estupro que envolve Daniel e Monique não é novidade para a Endemol, a empresa holandesa criadora do Big Brother. Em 2007, a versão do reality show apresentada na África do Sul foi marcada por uma situação semelhante. Após uma festa regada a álcool, o estudante de cinema Richard Bezuidenhout, de 24 anos, partiu para cima da colega de confinamento, a auxiliar de enfermagem Ofunneka Molokwu, de 29 anos.

Richard teria introduzido os dedos na vagina de Ofunneka sem seu consentimento — a enfermeira estava desacordada. O estudante só parou quando uma outra participante flagrou a cena e exigiu que deixasse a colega em paz. Nesse momento, a produção interrompeu a transmissão ao vivo e liberou a entrada de paramédicos para ajudar a participante desacordada, que, mais tarde, diria não saber dizer se foi de fato abusada.

Ao contrário da decisão tomada pela Globo, que expulsou Daniel do programa nesta segunda-feira, e apesar dos pedidos de parte do público, que gostaria de ver Richard responder legalmente pelo ocorrido, ele permaneceu na competição. No fim, o estudante levou o prêmio de 100.000 dólares e Ofunneka Molokwu ficou em segundo lugar. Durante participação num programa após o confinamento, o participante justificou o ato com a seguinte frase: “Isso é a África”.

De acordo com o jornal britânico The Week, uma mulher é estuprada na África do Sul a cada 40 segundos.