Adaptação de ‘Inferno’, de Dan Brown, é tão absurda que diverte

No terceiro filme da série, Robert Langdon retorna ao cinema com a missão de salvar a humanidade

Tudo é muito intenso, rápido e barulhento em Inferno, terceiro filme da série protagonizada por Robert Langdon, o mestre da simbologia criado por Dan Brown e interpretado por Tom Hanks desde O Código Da Vinci (2006). Logo nos primeiros minutos da produção, o cineasta Ron Howard, responsável pela trilogia, empurra o espectador para cenas agonizantes com o protagonista, que se vê entre alucinações apocalípticas enquanto desperta desorientado em um hospital.

Langdon visualiza suas roupas, ensanguentadas, em um saco no canto do quarto, e tenta lidar com uma terrível dor de cabeça – sintoma sentido também pelo espectador, que acompanha câmeras tremidas e desfocadas e a obstinação de barulhos azucrinantes. Ao lado do paciente, está a médica Sienna Brooks (Felicity Jones). Ainda em meio à confusão do protagonista (e da plateia), Sienna explica rapidamente que ele levou um tiro e precisa sair logo dali, antes de um novo atentado.

Ao longo de duas horas de duração, Inferno manterá sequências do tipo, em uma emenda de acontecimentos e constantes perseguições, intercaladas por flashbacks confusos causados pela leve amnésia do personagem de Hanks. Especialista em desvendar enigmas, Langdon, agora, precisa também desvendar a si mesmo. Para começar, ele não sabe por que está em Florença, na Itália, já que, até onde se lembra, ele estava nos Estados Unidos.

Muitos absurdos acontecem a partir daí. Langdon descobre em seu poder um mapa codificado com a pintura Mapa do Inferno, de Sandro Botticelli, obra inspirada em A Divina Comédia, de Dante Alighieri. Na ilustração, está o nome de Bertrand Zobrist (Ben Foster), um jovem bilionário com ideias bem controversas sobre sustentabilidade. Segundo o rapaz, a peste negra foi um ponto positivo na história da humanidade, uma maneira de conter o crescimento populacional e, olha só, incentivar o movimento renascentista, além de corpos mais esbeltos. Com a atual superpopulação mundial, imagina Zobrist, um novo e perigoso vírus seria um presente e tanto para a humanidade.

O especialista em semiótica sai, ao lado de sua nova parceira, em busca do esconderijo do tal vírus. Afinal, em vez de simplesmente espalhar a doença, o maluco preferiu criar um cenário especial, planejar uma infestação surpresa e desenhar um mapa do local eleito para iniciar a pandemia – se não fosse assim, filme e livro não existiriam.

Reviravoltas e cenas de ação conduzem o roteiro, que, quase no final, ganha uma pausa didática com o ator Irrfan Khan. Ele é o eleito para explicar, em poucos minutos, o que diabos está acontecendo no filme. Finalmente, a dor de cabeça de Langdon (e da plateia) termina, antes do ápice do terceiro ato.

O charmoso Tom Hanks e o aferrado Ron Howard já estão bastante habituados ao universo vislumbrado por Dan Brown. A maturidade do relacionamento do trio ajuda Inferno a ser, apesar de disparatada, uma trama ágil, que prende e, por fim, diverte. Todos os ingredientes de um bom entretenimento que acredita ser cult estão ali, desde a prateleira das livrarias até a sala de cinema mais próxima.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alex Sandro Cordeiro

    Nossa a pessoa que escreveu esse texto é burra por opção ou sofreu algum trauma na cabeça recentemente? Pelo amor de Deus……. a pessoa não entendeu nem as legendas do filme e escreveu uma alucinação que teve a respeito do filme né hahahahahahaha achei hilário…. vai ver a comédia era premeditada e eu não me toquei….. pelo amor de Deus revista Veja…. antes de publicar um texto tão ruim vale a pena dar uma revisada……. contratem pessoal mais competente para não passarem vergonha….. juro que senti vergonha alheia lendo esse texto hahahaha zuado demais

    Curtir

  2. Jeferson Anjos

    “Afinal, em vez de simplesmente espalhar a doença, o maluco preferiu criar um cenário especial, planejar uma infestação surpresa e desenhar um mapa do local eleito para iniciar a pandemia – se não fosse assim, filme e livro não existiriam.”

    Aparentemente alguém resolveu colocar o filme e o livro em um pacote só, que tal conhecer a trama do livro, as vezes ajuda na hr de comentar sobre ele, já que as duas versões tem diferenças gritantes.

    Curtir