Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A história do casal William Bonner e Fátima Bernardes

Casal anunciou a separação nesta segunda-feira, após 26 anos de união

O anúncio de que William Bonner e Fátima Bernardes vão se separar, feito na noite desta segunda-feira no Twitter, surpreendeu o Brasil. Casados havia 26 anos, os jornalistas se conheceram em 1989, ano em que passaram a apresentar juntos o Jornal da Globo – foi a primeira bancada que eles dividiram em um jornalístico da Globo.

LEIA TAMBÉM:
William Bonner e Fátima Bernardes se separam após 26 anos
Iniciativa do divórcio foi de William Bonner
William Bonner paga mico no Jornal Nacional – e motiva piadas
William Bonner de pé vira meme

Segundo disse a apresentadora em entrevista ao jornal O Globo em 2014, ela ainda era casada com seu primeiro marido, um engenheiro, quando recebeu a primeira cantada de Bonner, que disse que ele já tinha “notado” a jornalista quando ele trabalhava em São Paulo. Tempos depois, Fátima disse a Bonner que havia descoberto que tinha um sorriso meio “torto” — ele prontamente respondeu elogiando o sorriso da futura esposa. “Naquele momento, parece que deu um clique”, contou Fátima ao jornal.

Eles se casaram em 1990. Em 1997, Fátima fez inseminação artificial e acabou grávida dos trigêmeos Vinícius, Laura e Beatriz – nesse período, ela se afastou da emissora e voltou somente no começo de 1998. Em março daquele ano, ela assumiu a bancada do Jornal Nacional ao lado do marido, que já apresentava o jornalístico desde 1996.

Fátima Bernardes e William Bonner com os filhos Laura, Vinícius e Beatriz, passeando no shopping New York City Center, em 2003

Fátima Bernardes e William Bonner com os filhos Laura, Vinícius e Beatriz, passeando no shopping New York City Center, em 2003 (Reginaldo Teixeira/Revista Contigo)

No JN, eles protagonizaram momentos fofos, como quando Bonner chamou uma entrada de Fátima comentando o visual da esposa. “Com mantô, cachecol e gorrinho, onde está você, Fátima Bernardes?” — a frase acabou viralizando e é usada até hoje por internautas, nos mais diferentes contextos.

O casal de jornalistas dividiu a bancada do Jornal Nacional até dezembro de 2011. No vídeo abaixo, quando o casal participava do Domingão do Faustão em junho de 2011, Fátima e Bonner respondem se já apresentaram o JN brigados. “A gente não deixa discussões para depois”, disse a apresentadora. “Se a gente vai para o trabalho, já deu tempo suficiente para resolver a discussão antes.” Bonner e Fátima trabalharam juntos no JN por treze anos.

Fátima saiu do jornalístico para migrar para o entretenimento da Globo. Em junho do ano seguinte, ela estreou o Encontro, programa matinal da emissora. Em 2013, no aniversário de um ano do Encontro, Bonner mandou um vídeo fofo falando sobre a mudança da mulher do jornalismo para o entretenimento da Globo. “O que me deixa mais contente é saber que um ano depois da estreia, a Fátima continua vibrando como se a estreia fosse amanhã”, disse. “Para você, Fá, para toda a sua equipe, parabéns, vocês merecem comemorar muito esse primeiro aniversário de Encontro.

Rumores de crise no casamento de Bonner e Fátima circulam há anos, mas nunca foram confirmados — e o casal realmente parecia estar bem. As últimas notícias sobre o assunto surgiram em março e não chegaram a ser comentadas pelos jornalistas.

O paulistano e a carioca

William Bonemer Júnior nasceu em 16 de novembro de 1963, em São Paulo. Já Fátima Gomes Bernardes nasceu em 17 de setembro de 1962, no Rio de Janeiro. Enquanto o paulistano cursava publicidade na Universidade de São Paulo, a carioca se estudava jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Bonner decidiu investir no jornalismo, porém, ao ser chamado para ser locutor da Rádio USP, em 1984. Trabalhou na Bandeirantes antes de se tornar apresentador do SPTV – 3ª Edição, em 1986, quando decidiu mudar o sobrenome artístico de Bonemer para Bonner, para não ser confundido com o pai, o pediatra William Bonemer.

Fátima Bernardes e William Bonner na estreia da peça 'Alta Sociedade', em 2001

Fátima Bernardes e William Bonner na estreia da peça ‘Alta Sociedade’, em 2001 (Jorge Marcilio)

Fátima dedicou muitos anos de sua adolescência ao balé – chegou, inclusive, a participar de videoclipes produzidos pelo Fantástico como bailarina – mas decidiu não seguir carreira e investiu no jornalismo. Passou por algumas editorias do jornal O Globo antes de virar estagiária do Fantástico.

Na emissora carioca, Bonner passou ainda pelo Jornal Hoje e pelo Fantástico antes de ir parar no Jornal da Globo em 1989, quando conheceu Fátima. Já a jornalista passou pelo RJTV, Jornal Hoje e Jornal Nacional como repórter antes de ir para a bancada do Jornal da Globo.

Fátima Bernardes e Willian Bonner com seus filhos trigêmios, Vinicius, Laura e Beatriz no palco do Criança Esperança 2011

Fátima Bernardes e Willian Bonner com seus filhos trigêmios, Vinicius, Laura e Beatriz no palco do Criança Esperança 2011

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gilmar Moschen

    A redator do texto ou é um estagiário(a) com retardos infantis ou é um gay e esquece que está redigindo para uma revista nacional. Me refiro ao fato de usar as expressão ¨momento fofo” e repetidas vezes. Além de um termo extremamente infantil , e um vocabulário com ausência de adjetivos. Cadê o revisor de texto ? Ah, vai ver que ele é da mesma linha que o redator.

    Curtir

  2. Osmair Lopes Pereira

    vc (Gilmar Moschen) não deixa passar nada…cade a liberdade de se expressar? …li a matéria com naturalidade…e se ele (a) recebeu essa responsabilidade é porque está no caminho certo…blz?

    Curtir

  3. Vanessa Spindolla

    Não sou de comentar matéria de fofoca mas creio que o comentário do Gilmar Moschen seja perfeito e mereça ser reforçado. O texto é infantilóide-afetado demais e ainda sem revisão. A qualidade da Veja online está cada dia mais sofrível. Se não pode mostrar qualidade é melhor tirar do ar e consertar!
    PS. atenção esquerdinhas, isso foi uma crítica construtiva.

    Curtir

  4. José Maria Pessoa de Melo

    MAIS UMA VEZ SINTO QUE NINGUÉM É DE NINGUÉM. NÃO EXISTA CARA-METADE ETERNA. A VIDA CONTINUA, E AGORA DESEJO PARA QUE OS REBENTINHOS SEJAM FELIZES E DEEM MUITOS ORGULHOS AOS PAPAIS.

    Curtir