USP deve terminar 2014 com déficit de R$ 1,25 bilhão

Administração estimava gastar 574 milhões de reais das reservas, mas déficit atualizado já é 117% mais alto do que o previsto

A Universidade de São Paulo (USP) terminará o ano com déficit de 1,25 bilhão de reais, de acordo com as últimas estimativas feitas pela reitoria. No orçamento aprovado em fevereiro, a administração estimava gastar 574 milhões de reais das reservas para pagar salários e bancar custos de manutenção. O valor de déficit atualizado já é 117% mais alto do que o previsto.

A baixa arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) afetou o caixa da instituição. A USP recebe cerca de 5,03% do que o Estado recolhe desse imposto, mas o desempenho da economia prejudicou os repasses nos últimos meses. A reitoria também aponta o reajuste salarial de docentes e funcionários como outra causa da piora nas contas.

Leia também:

USP avança em ranking, mas segue fora do grupo de elite

Repasse do governo para USP, Unesp e Unicamp será menor em 2015

USP vai vender imóveis para arrecadar R$ 50 milhões

Na reserva financeira da universidade, atualmente usada para bancar parte das remunerações, deve sobrar 1,53 bilhão de reais ao fim deste ano, segundo prognósticos da administração. Em junho de 2012, havia 3,61 bilhões de reais. O reitor, Marco Antonio Zago, atribui o descontrole financeiro às contratações e ao plano de carreira para servidores aprovado na gestão passada. João Grandino Rodas, o dirigente anterior, afirma que havia disponibilidade orçamentária para as medidas à época.

Embora em situação menos apertada que a USP, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) também gastam quase todas as receitas com a folha. As duas instituições não preveem, contudo, déficit para este ano. As três universidades estaduais devem definir seus orçamentos até dezembro deste ano, em votação nos conselhos universitários, órgãos máximos de cada instituição. Nos encontros, outras medidas para frear despesas devem ser discutidas.

(Com Estadão Conteúdo)