Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Só 6% dos jovens brasileiros fazem curso profissionalizante

Dado é de pesquisa da CNI. Nas nações desenvolvidas, taxa é de 35%

Apenas 6% dos jovens com idades entre 16 e 24 anos estão matriculados em cursos de educação profissional, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O dado, divulgado nesta terça-feira, faz parte de pesquisa encomendada pelo grupo ao Ibope, que ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios.

Leia mais:

Carreiras mais promissoras para os próximos dez anos

Oito carreiras técnicas com mais vagas

Brasil precisa de mais cursos técnicos

O Brasil fica muito abaixo da média registrada em outros países. Nas 34 nações mais desenvolvidas, a porcentagem de matrículas no ensino técnico entre jovens de 15 a 24 é de 35%, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A pesquisa do Ibope considerou tanto os estudantes que cursam o ensino médio integrado ao técnico quanto aqueles que fazem apenas o ensino profissional. Segundo os dados, 44% da população entre 16 e 24 anos estuda, sendo a maioria no ensino superior (18%) e, em seguida, médio (15%).

A pesquisa mostra ainda que um em cada quatro brasileiros de todas as idades já fez curso profissionalizante. As principais razões para que a maioria (75%) da população nunca tenha feito esse tipo de formação são falta de tempo para estudar (40%), falta de recursos para pagar (26%) e falta de interesse (22%).

Leia também:

Teste vocacional: descubra as carreiras que têm mais a ver com você

Apesar da baixa procura, os cursos técnicos são apontados pelos entrevistados como uma porta de entrada no mercado de trabalho. Entre os que optaram pela formação profissional, 61% já trabalharam na área do curso, o que indica que os conhecimentos adquiridos têm aplicabilidade no mercado de trabalho.

“Historicamente a educação profissional não foi prioridade na agenda politica do país. Na nossa sociedade, o sistema educacional era todo voltado para uma lógica academicista, como se todos os jovens fossem para a universidade. Isso está mudando”, explica o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi.

Entre os entrevistados, 90% acreditam que quem tem formação técnica tem mais chances de encontrar trabalho do que quem não possui tal graduação; 82% concordam que os profissionais com certificado de qualificação profissional têm salários maiores. Segundo a CNI, os resultados do estudo servirão de base para definir a oferta de vagas do Senai, que responde por 43% da oferta de cursos técnicos no país, seguido da rede privada (37%) e da rede pública (20%).

Para Lucchesi, apesar do crescimento do número de estudantes do ensino superior no Brasil, 80% dos jovens ainda terminam o ensino básico sem condições ou interesse em seguir para a universidade. “Eles precisam ter um caminho para ingressar no mercado de trabalho com uma profissão. A educação profissional vai ao encontro desse anseio, como, aliás, é feito nos países desenvolvidos.”

Leia também:

SP: 10.000 presos obtiveram diploma do ciclo básico em 2013

Faça um balanço de sua carreira e planeje mudanças