Só 11% dos estudantes terminam o ensino médio com aprendizado adequado em matemática

Relatório do movimento independente Todos pela Educação mostra avanços no ensino do país, mas também grandes decepções

“O futuro destas crianças está definitivamente comprometido” – Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos pela Educação

O fato de a educação brasileira, em geral, deixar muito a desejar já é amplamente conhecido. Resta saber o quanto e em que velocidade ela vem sendo aprimorada. Relatório do movimento independente Todos pela Educação divulgado nesta quarta-feira mostra aceleração nos avanços obtidos pelo setor. Contudo, alguns resultados desapontam, ficando abaixo de metas estabelecidas e revelando falhas graves no ensino do país. O mais gritante exemplo: só 11% dos estudantes que concluem o ensino médio de fato dominam os conhecimentos que deveriam possuir em uma disciplina fundamental como matemática. Confira gráfico com os resultados.

Leia mais:

Ensino médio ainda é ‘funil’ da educação brasileira

O relatório analisa o desempenho dos estudantes do quinto e nono ano do ensino fundamental e do terceiro ano do ensino médio a partir dos resultados deles no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2009, elaborado pelo Ministério da Educação (MEC). Esses dados são cruzados com metas estabelecidas pelo Todos pela Educação, que prevê que em 2022, ano do bicentenário da Independência, ao menos 70% dos estudantes brasileiros dominarão conteúdos adequados ao seu estágio escolar.

Entre os alunos do quinto ano, constatou-se uma aceleração no aprendizado em relação às medições anteriores. Em 2009, 34,2% deles aprenderam o que deveriam em língua portuguesa e 32,6%, em matemática. Assim mesmo, o resultado na primeira disciplina ficou abaixo da meta para o ano, que era de 36,6%.

Ao fim do nono ano, o cenário foi inverso: em língua portuguesa, 26,3% dos alunos aprenderam o que deveriam e, em matemática, só 14,8%. Aqui, o desempenho em português superou a meta, de 24,7%, ao contrário do ocorrido com matemática, 17,9%. Finalmente, no ensino médio, 28,9% dos estudantes dominam os conhecimentos devidos – superando a meta de 26,3%. Em matemática, o pior resultado: 11%, ante a meta de 14,3%.

As informações corroboram a tese de que a educação encontra um grande obstáculo no ensino médio. Entre os níveis da educação básica (fundamental I e II e médio), este último foi o que menos evolui nos últimos anos, aponta o Todos Pela Educação.

“Constatamos avanços significativos, mas é preciso acelerar. Se continuarmos no ritmo em que nos encontramos, nossa meta só será atingida em 2050, e não em 2022 como estabelecemos”, diz Priscila Cruz, diretora-executiva do movimento. O sociólogo Simon Schwartzman complementa: “Vemos que os resultados de metemática são os mais perversos e são justamente eles que nos mostram a qualidade da escola que temos. Matemática é uma disciplina que a escola ensina ou não ensina, ao contrário do português, que o aluno assimila não só na escola, mas também no convívio social”.

“É preciso olhar para o presente e enxergar que o futuro destas crianças está definitivamente comprometido”, afirma Priscila. Para Schwartzman, a reversão deste quadro passa pela transformação da escola: “Os jovens abandonam os estudos porque se sentem desmotivados. Temos que pensar se é esta escola que queremos, um lugar que não ensina, que não faz o aluno pensar e raciocinar”.

O relatório do movimento Todos Pela Educação foi elaborado com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Educação (MEC).