Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PF autua 22 alunos da Unifesp por dano e formação de quadrilha

Estudantes foram detidos após tumulto no câmpus de Guarulhos

A Polícia Federal de São Paulo autuou nesta sexta-feira 22 estudantes do campus de Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) por danos ao patrimônio, formação de quadrilha e constrangimento ilegal. Eles prestaram depoimento após serem autuados em flagrante na noite desta quinta-feira. As penas somadas podem chegar a oito anos de prisão.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: o que Haddad disse sobre ação da PM na USP?

Protesto termina com prisão de 27 alunos

PM cumpre reintegração de posse no campus da Unifesp

Prestes a completar 1 mês, greve atinge 90% das federais

reintegração de posse do campus

O tumulto no campus de Guarulhos começou no início da noite. Após assembleia que discutia apoio à greve dos docentes, um grupo de alunos passou a protestar em frente à reitoria. Por meio de nota, a Unifesp afirma que os estudantes picharam o campus, quebraram vidros, móveis e computadores, intimidaram e acuaram o diretor acadêmico e professores que estavam no local. Além disso, ameaçaram tomar novamente o prédio da reitoria, ocupado entre os dias 22 de março e 6 de junho, por cerca de 45 estudantes.

A Polícia Militar foi acionada por docentes da instituição para controlar a situação. Os alunos dizem que foram intimidados e que a depredação ocorreu somente após uma estudante ser detida. A PM disparou balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo para conter os estudantes. Pelo menos uma pessoa ficou ferida e foi levada ao pronto-socorro.

A PF, que tem atribuição para investigar crimes praticados contra servidores públicos e o patrimônio das universidades federais, disse que agentes realizaram perícia no local e constataram danos à instituição. A Unifesp alega que uma audiência pública entre alunos e o reitor para tratar das reivindicações já havia sido agendada para o dia 20 de junho. “A depredação do patrimônio público e o constrangimento ilegal não é forma de manifestação ou reivindicação”, afirma a universidade.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: o que Haddad disse sobre ação da PM na USP?

Protesto termina com prisão de 27 alunos

PM cumpre reintegração de posse no campus da Unifesp

Prestes a completar 1 mês, greve atinge 90% das federais