Fuvest 2017: a questão que deu um nó na cabeça dos estudantes

Disciplina de física foi a que mais exigiu conhecimento (e paciência) dos alunos no segundo dia de provas da 2ª fase do vestibular

Vestibulandos passaram por mais um dia de provas para a segunda fase da Fuvest, vestibular que dá vaga para Universidade de São Paulo (USP), nesta segunda-feira. Após terem resolvido a prova de português, literatura e redação no último domingo, foi a vez dos mais de 20.000 candidatos solucionarem questões de matemática, história, geografia, física, química, biologia e inglês. De acordo com Paulo Moraes, diretor de ensino do Anglo Vestibulares, a disciplina que mais exigiu conhecimento (e paciência, devido à extensão das questões) dos alunos foi física – matéria que também teve a questão mais difícil deste dia de provas.

Segundo Ronaldo Carrilho, supervisor de física do Anglo, a questão que deu um nó na cabeça dos estudantes foi a de número 16 da prova A. “Ela se torna a mais difícil pois, além de ter um texto mais complicado, aborda eletrostática – que não é de grande domínio dos estudantes. A questão exige um conjunto de habilidades, interpretação de texto e a compreensão de um gráfico que não é usual”, afirma Carrilho.

questao-fisica-16-a

(Reprodução)

questao-fisica-16-folha-de-resposta

(Reprodução)

Carrilho explica como deve ser feita a questão. “A primeira coisa é identificar que, dentro do universo da física, o conceito que vai resolver a questão é o de trabalho da força elétrica. Depois, o aluno deve compreender que, para ambos íons citados no texto, a energia cinética é a mesma. Para o item ‘b’, ele tem que ver que a razão pedida só depende dos intervalos de tempo que são disponibilizados no gráfico na folha de respostas. Já o item ‘c’ quer saber a razão das massas – para acertar isso ele tem que conhecer a expressão de energia cinética. No item ‘d’, para calcular a massa de um dos íons de insulina, ele deve usar o resultado obtido no item ‘c’: por isso, se ele errar o item anterior, ele erra este também”, explicou o professor.

De acordo com Moraes, os estudantes viram um teste equilibrado, que exige conhecimentos dos conteúdos e, além de tudo, controle do tempo de prova. Na próxima terça-feira (10), os candidatos devem realizar o exame específico, de acordo com a carreira em que se inscreveram.