Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Escola onde ocorreu massacre adotou sistema de segurança há poucos meses

Medidas incluem identificação de pessoas que ingressam nas instalações da unidade

A escola americana Sandy Hook, palco do massacre que deixou 27 mortos nesta sexta-feira, adotou há poucos meses novas medidas de segurança a pedido da Secretaria de Educação de Newtown, no estado de Connecticut. De acordo com informações da rede de TV CNN, o sistema abrangia todas as instituições da cidade e previa que todas as pessoas fossem identificadas antes de ingressar nas escolas.

Leia também:

Atirador de Connecticut era filho de professora morta

Depois de Columbine, escolas americanas investem em prevenção à violência

Em um carta endereçada aos pais no início do ano letivo, que começou em setembro, a diretora Dawn Hochsprung, uma das prováveis vítimas do atirador, pediu paciência aos pais durante o período de adaptação às novas regras. “Por favor, entendam que com quase 700 alunos e mais de 1.000 pais representando cerca de 500 famílias muitas pessoas terão de apresentar algum documento de identificação”, escreveu a diretora.

Ela afirmou ainda que as medidas visavam a segurança dos alunos e não tinham como objetivo afastar os pais da vida escolar de seus filhos. “Nós continuamos a encorajar e a valorizar a presença dos pais nas nossas instalações e contamos com a sua colaboração durante a implantação deste novo sistema de segurança.”

Dawn Hochsprung assumiu a direção da escola Sandy Hook em 2010. Na ocasião, o jornal da cidade informou que ela já acumulava 12 anos de experiência administrativa, tendo atuado em outras cidades da região. Segundo a reportagem da época, a diretora tinha duas filhas e três enteadas e estava contente com o novo posto. “Eu não consigo imaginar um lugar melhor do que este”, disse ela.

Hochsprung formou-se em educação especial em 1993 e fez mestrado na mesma área, sempre em universidades estaduais de Connecticut. Ela mantinha uma conta no Twitter (@DHochsprung) onde descrevia atividades escolares e recomendava artigos para a leitura de pais e alunos.

Leia também:

Atirador de Connecticut era filho de professora morta

Depois de Columbine, escolas americanas investem em prevenção à violência