Ensino médio: Português, Matemática e Inglês serão obrigatórios

As demais passam a ser optativas da metade para o fim

Na nova arquitetura do ensino médio, estabelecida nesta quinta-feira, por Medida Provisória (MP) editada pelo presidente Michel Temer, apenas as disciplinas de Português, Matemática e Inglês serão obrigatórias nos três anos do curso. etapa. As demais passam a ser optativas da metade para o fim, a depender da área de conhecimento que o aluno decidir seguir, entre cinco possibilidades: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Ensino Técnico.

O texto da MP causou muitas discussões entre especialistas ao dispensar o ensino de Artes e Educação Física durante todo o ensino médio. No início da noite, porém, a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC) informou que a redação divulgada estava errada e carecia de “ajustes técnicos”. A versão final garante as 13 disciplinas exigidas atualmente por lei – até que seja definida a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em meados de 2017.

LEIA MAIS:
Brasil terá novo ensino médio

A depender da escolha do “itinerário” pelo aluno, as disciplinas de Inglês, Português e Matemática terão mais ou menos profundidade na abordagem. Se o estudante escolher seguir a área de Linguagens, por exemplo, aprenderá mais sobre orações subjuntivas do que sobre trigonometria (na Matemática). Marcada para novembro, a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano não sofrerá mudança.

A ideia de fazer a reforma por MP, que motivou críticas de associações e educadores, recebeu na quarta-feira o aval do relator da reforma do ensino médio na Câmara, deputado Wilson Filho (PTB-PB). Para ele, a tramitação agora será acelerada. “O que nós temos, acima de tudo, é a certeza de que o ensino médio caminha no lado errado.”

Período integral – Com foco em ampliar o acesso à escola em turno integral (passando essa fase gradualmente de 800 horas/ano para 1,4 mil horas/ano), a reformulação dá prioridade à flexibilização do currículo e autonomia aos Estados para que criem as próprias políticas educacionais e programas – tudo com base nesta nova norma, considerada a maior mudança na Lei de Diretrizes Básicas da Educação (LDB) em 20 anos. A fiscalização será feita pelo MEC.

As mudanças serão implementadas gradualmente, assegura o ministro Mendonça Filho. “A legislação abre para infinitas possibilidades, a cargo dos Estados.”

As alterações buscam desengessar o ensino médio, considerado por especialistas muito distante dos interesses dos jovens, o que contribui para as altas taxas de evasão escolar nesta etapa. O projeto de vida do aluno será a prioridade, disse Temer na quarta-feira, em discurso no Palácio do Planalto. “Os jovens poderão escolher o currículo mais adaptado à vocação. Serão oferecidas opções curriculares e não mais imposições”, afirmou o presidente, garantindo novamente que “não haverá redução de verba” para a educação.

As escolas não serão obrigadas a ofertar as cinco ênfases previstas pela nova regra. Dessa forma, há a possibilidade de um aluno que quer seguir na área de Matemática ter de mudar de instituição, caso o colégio em que estuda não ofereça a modalidade. O MEC não quis comentar a hipótese de ocupações e resistência por parte de estudantes, a exemplo do que aconteceu durante a reorganização da rede de São Paulo, no ano passado.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Napoleao Gomes

    Português e matemática são as que mais afastam os alunos da escola, pois não há professores capacitados para ENSINAR estas disciplinas.

    Curtir

  2. E HISTORIA DO BRASIL, DA EUROPA, ETC? Isso ou e uma grande estupidez ou e feito de proposito para manter o povo em absoluta ignorancia. Quem nao conhece historia tanto de seu pais como pelo menos as mais importantes tais quais historia da Europa, Russia, etc. continua sendo idiotas vitimas de novos sistemas repletos de erros do passado que invariavelmente e venenoso para o povo. Pequeno exemplo: Que tal esquecer que Hitler existiu, e porque?

    Curtir

  3. Finalmente os comunistas vão perder o controle de nossa juventude… Parabens PresidentE Temer ! A melhor MP que poderia assinar… finalmente uma MP do bem…

    Curtir

  4. Daniel Ferreira

    (Não) Veja mostra a sua mediocridade jornalistica ao “esquecer” de citar outros partidos envolvidos em propinas e desvio de milhões Brasil a fora.

    Curtir

  5. Daniel Ferreira

    O Simples ato de “pensar” deixa o governo interino todo borrado.

    Curtir

  6. Sou físico e o problema de quem fala que a física não serve para nada está no fato de ter estudado em escolas ruins. Infelizmente no próprio ensino médio, onde o aluno é preparado apenas para decorar meia dúzia de fórmulas e reproduzir alguns exercícios decorados na prova. Lamentável que seja assim, pois a física é muito mais que isso.

    Curtir

  7. Flavio Oliveira Melo

    Um país que quer crescer precisa produzir os melhores profissionais do mundo e isso só é possível quando o país investe no mínimo 5 vezes mais do que o Brasil tem investido hoje em educação, caso contrário, o país fica emperrado, aqueles que poderiam ser grandes profissionais, acabam perdidos no mercado de trabalho por falta da base que deveria prepara-los, com o tempo, é normal a mão de obra especializada passar a ser importada, o que vem ocorrendo a cada vez mais no Brasil.

    Curtir

  8. Leandro Talbat

    É Flavio, a escola que você defende é aquela em que os alunos não precisam pensar, refletir. Você é um bom exemplo.

    Curtir

  9. Aloisio Barros

    Daniel Ferreira, acorde! O governo é definitivo. E graças a Deus acabou esse espanhol que nada acrescenta para nós. Coisa de PT para se comunicar com os bolivarianos. Alunos sem a catequese petista é tudo que queremos.

    Curtir