Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Teste encontra irregularidades em amostras de carnes

Empresas questionam resultado da análise e negam utilização de nitrato no processamento de carne fresca

A associação de consumidores Proteste encontrou conservantes proibidos na análise de carnes. Foi o segundo teste realizado pela entidade desde a Operação Carne Fraca, que investiga um esquema de corrupção envolvendo fiscais da Agricultura e frigoríficos.

De acordo com a Proteste, os testes foram realizados a partir de pedidos de consumidores. Foram analisadas 26 amostras de produtos, entre carne bovina (contrafilé, fraldinha e picanha), linguiça suína, salsicha, mortadela e filé de peito de frango.

A Proteste informa que foi encontrada a presença de nitrato em cortes de contrafilé Friboi JBS e nas picanhas Frialto e Montana. “Esse aditivo é empregado nos produtos cárneos com o objetivo de melhorar o aspecto (cor), prevenir o crescimento microbiológico além de atuar como um antioxidante, ou seja, atua aumentando o tempo de conservação desses produtos”, afirma a Proteste.

Segundo a entidade, a Anvisa e o Ministério da Agricultura só autorizam o uso do nitrato em carnes processadas e embutidas, desde que obedecendo um determinado limite.

A Proteste informa que enviará os resultados do teste ao Ministério da Agricultura e que vai requerer aumento da fiscalização, bem como a retirada do mercado das amostras que contêm peróxidos e nitrato. A Anvisa também receberá cópia desses resultados.

 Outro lado

As empresas questionam o resultado da análise da Proteste. “Mais uma vez a Proteste não informou o laboratório que realizou a análise e o laudo apresentado não atende ao padrão estabelecido pela norma técnica da ABNT para emissão de resultados”, diz a JBS, dona da Friboi.

A Friboi informa que “suas carnes in natura são comercializadas livres de quaisquer conservantes e que não utiliza nitrato em nenhum momento do processo.”

Outro ponto questionável, segundo a empresa, é a que o teste não encontrou a presença de nitrito. “Não foi encontrado nitrito na amostra avaliada, o que descredencia a própria análise divulgada pela Proteste, já que a substancia de nitrato é transformada naturalmente em nitrito.”

A Marfrig, dona da marca Montana, também nega a utilização de nitrato. “Informamos que não fazemos uso de nitrato em carnes in natura, e que não tivemos acesso aos critérios utilizados pelo Instituto Proteste para análise das amostras de produtos”.

A Frialto também questiona o teste realizado. “É simplesmente impossível que possa haver alguma contaminação de nitrato em nossos produtos, dentro de nosso estabelecimento. […] Para utilização desse tipo de substância (nitrato) dentro de uma indústria seria necessária a autorização do SIF – Serviço de Inspeção de Federal, serviço esse que está presente diariamente em nossa unidade.”

A empresa diz que entrará em contato com a Proteste, pois o SIF informado na utilização do teste refere-se a um produto já vencido. “Aparentemente, usaram o mesmo produto coletado na primeira fase, pois o tipo, lote e vencimento são os mesmos, sendo que esse produto coletado está fora do prazo de validade.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nathan Khornnes

    Se quem faz as leis do país estão envolvidos até a alma com negociatas ilícitas, imaginem esses empresários corruptos e vigaristas, ávidos por lucros fáceis. Brasil, tome vergonha na cara! Estamos de olho.

    Curtir

  2. Pela cor da carne da foto não tem uso de Nitrato… tem que ir com calma nessa análises.

    Curtir