Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Temer admite estudos sobre aumento da alíquota do IR

Segundo o presidente, pesquisas sobre arrecadação são feitas rotineiramente pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento

O presidente da República, Michel Temer, admitiu nesta terça-feira que a equipe econômica do governo estuda uma alíquota maior para o Imposto de Renda de Pessoa Física. Ele ponderou, no entanto, que pode não ser o momento oportuno para o aumento.

“São estudos que se fazem rotineiramente. A todo momento, o Planejamento e a Fazenda fazem estudos e esse é um dos estudos que estão sendo feitos. Não há nada decidido”, afirmou o presidente após participar da abertura de congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Reportagem publicada hoje no jornal O Estado de S. Paulo informa que a equipe econômica considera a criação de uma alíquota de IR de 30% ou 35% para quem ganha acima de 20.000 reais, além da tributação de lucros e dividendos, entre outras medidas, com o objetivo de aumentar a receita em 2018.

O governo enfrenta sérias dificuldades para equilibrar as contas públicas e há uma forte expectativa de que terá de alterar a meta fiscal deste ano, para poder ter um déficit primário maior dos que os 139 bilhões de reais previstos.

Em discurso no mesmo evento, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o Brasil não aguenta mais pagar impostos.

Reformas

O presidente disse ainda que há uma necessidade “imperiosa” de aprovar a reforma da Previdência agora, porque sem ela será muito difícil enfrentar os próximos anos.

“Num país em que o déficit previdenciário chegará neste ano a 184 bilhões de reais e deve alcançar 205 bilhões de reais em 2018, se não fizermos essa reforma, será dificílimo enfrentar os próximos anos”, afirmou.

O presidente também incluiu a simplificação do sistema tributário e a reforma política no bojo das reformas consideradas como fundamentais de um governo que, segundo ele, está “reformulando” o Brasil. Também ressaltou a necessidade de apoiar a iniciativa privada, de onde saem os empregos e os investimentos.

Veja também

“O combate ao desemprego se dá pelo incentivo da atividade privada. Uma das nossas tarefas é mudar a cultura no Brasil. Muita gente critica o desemprego mas combate a produção”, comentou Temer. Segundo ele, o Estado não consegue prosperar sem transferir várias atividades ao setor privado. “Temos prestigiado a iniciativa privada.”

Ao se referir à economia, Temer comemorou que o risco Brasil caiu para 195 pontos e que isso representa uma melhora da confiança no país. “Nos três últimos meses, os dados referentes ao desemprego, pela primeira vez, começam a ser positivos, o que está a significar que, em brevíssimo tempo, teremos um combate mais acentuado ao desemprego, portanto, quem sabe, lá na frente, com o emprego pleno”, acrescentou.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ladrões, sem caráter. Todos, não importando a sigla.

    Curtir

  2. Esse maldito governo quer empurrar para o trabalhador, mais uma vez, a conta do desperdício, da sonegação, da corrupção, das isenções, das anistias, da DRU, etc.. DIGA NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA!!!!!!

    Curtir

  3. Severino de Araújo Ferreira

    Estrategicamente o governo está absolutamente certo. O país não pode ficar rolando um déficit fiscal como uma bola de neve. Ou a sociedade aprova uma reforma da previdência robusta ou pagará mais impostos. Cabe ao Congresso Nacional escolher o melhor caminho a seguir. Essa reforma não é uma reforma do Temer, mas do país.

    Curtir

  4. Reforma da previdência para quem?? Quem vai ser afetado com a reforma??? Sera que o judiciário mais caro e incompetente do planeta esta nesta reforma??? Novamente o povo trabalhador tem que bancar a péssima administração pública e bancar o luxo do lixo.

    Curtir

  5. Tá brincando comigo né?! A tabela está defasada em mais de 80% e ainda fala em aumento de imposto?! É só parar de distribuir o dinheiro público para as reformas serem aprovadas e de roubar. Pronto, o deficit vai embora. Tá restando nossa paciência depois não se queixe.

    Curtir

  6. Me esforçar trabalhando pra que? Pra pagar imposto que sustenta vagabundo?
    Prefiro lavar privada em Miami.

    Curtir

  7. Flavio Oliveira Melo

    Privilégio do servidor público é um dos maiores problemas do país, diz juiz do trabalho

    Curtir