Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Taxa de desemprego sobe para 4,8% em janeiro

Número de pessoas sem trabalho cresce 9,6% em comparação com dezembro

A taxa de desemprego subiu para 4,8% em janeiro, ante 4,3% de dezembro de 2013, informa nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a janeiro do ano passado, porém, o índice diminuiu: à época, ficou em 5,4%. O número de pessoas desempregadas subiu 9,6% entre dezembro e janeiro, para 1,2 milhão de brasileiros. Em comparação a janeiro de 2013, o número de desocupados caiu 12,6%.

Ainda segundo o instituto, a população que está trabalhando somou 23,1 milhões em janeiro, queda de 0,9% em relação a dezembro e praticamente estável na comparação com janeiro do ano passado. Desses, 11,8 milhões são trabalhadores com carteira assinada no setor privado.

O salário médio real da classe trabalhadora do país mudou pouco entre dezembro e janeiro, passando de 1.979,14 reais para 1.983,80 reais. Em janeiro de 2013, o rendimento era de 1.915,63 reais, ou seja, alta de 3,6%.

Leia mais:

Informalidade no emprego cai para 41,6% no Brasil, diz OIT

Emprego na indústria encerra 2013 em queda de 1,1%

Mudança metodológica – Este resultado ainda é feito a partir da metodologia antiga. Aqui, a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) abrange apenas seis regiões metropolitanas – Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Na nova metodologia, serão usados detalhes da nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), chamada pelos pesquisadores de “PNAD Contínua”.

Com isso, o IBGE deixará de divulgar mensalmente a taxa de desemprego das seis principais regiões metropolitanas a partir de 2015 – a publicação será trimestral. Economistas acreditam que o dado trimestral, que engloba todo o Brasil, deverá revelar uma taxa maior que os dados atuais – pois já há, entre a PME e a PNAD nacional, uma discrepância nesse sentido. Em setembro de 2012, por exemplo, enquanto a PNAD apresentou uma taxa de desemprego nacional de 6,7%, a da PME era de 5,4%.