Startups brasileiras são selecionadas para programa do Google

Launchpad Accelerator incentiva projetos com perspectiva de relevância global

O Google selecionou quatro startups brasileiras para participar do Launchpad Accelerator, programa que impulsiona projetos com perspectiva de relevância global, com duração de seis meses. Os participantes também recebem mentoria com engenheiros e gerentes da empresa do Vale do Silício.

Em sua quarta edição, o Launchpad contará com apenas oito startups da América Latina, duas mexicanas, uma argentina e uma chilena. O Brasil será representado pelas empresas Arquivei, Contabilizei, Contratado.ME e Guiche Virtual. No segundo semestre de 2016, na terceira edição do programa, foram 13 empresas selecionadas, sendo seis brasileiras.

Além da oportunidade de aperfeiçoar seus projetos, as startups recebem 50 mil dólares de apoio (quase 164 mil reais), 100 mil dólares de crédito para a compra de produtos Google (cerca de 327 mil reais) e acesso contínuo aos experts e recursos da empresa.

Com as quatro primeiras classes, o Google investiu mais de 1,2 milhões de dólares (cerca de 3,93 milhões de reais) em 24 startups brasileiras que participaram do programa. Além do montante de 2,4 milhões de dólares (cerca de 7,8 milhões de reais) em crédito.

O Launchpad Accelerator seleciona startups da América Latina, África, Ásia e três países da Europa (Hungria, Polônia e República Tcheca). A qualquer momento, os interessados podem se candidatar por meio do site do Google, ao preencher um formulário de inscrição. Entretanto, como a última turma foi fechada há uma semana, os próximos candidatos devem esperar a abertura do próximo programa para serem convocados.

Segundo o Google, serão custeados todas as despesas do programa, inclusive hospedagem e alimentação. Até três membros da startup poderão participar do programa. Ao final do Launchpad Accelerator os candidatos não precisam dar nenhum retorno à empresa de tecnologia. “Ao apoiar os empreendedores que estão criando as próximas grandes tecnologias nos mercados emergentes, estamos ajudando a construir a infraestrutura que servirá de base para a experiência digital de milhões de novos usuários”, disse a empresa.

Veja as empresas brasileiras selecionadas para o programa do Vale do Silício em 2017:

Guichê Virtual

A startup comercializa passagens de ônibus online, o acesso pode ser feito tanto pelo aplicativo quanto pelo computador. Atualmente, segundo o COO da empresa, Halyson Valadão, 3 milhões de usuários utilizam a plataforma anualmente, inclusive em outros países da América do Sul.

“O Guichê Virtual nasceu de uma necessidade nossa. Na época, tínhamos muita dificuldade em comprar passagens pela internet”, contou Valadão.

A meta para esse ano é de alcançar o número de 4 milhões de passagens vendidas. Para isso, a experiência no programa do Google deve ajudar. “Queremos aprender como transformar o aplicativo em um produto global. No Brasil, ele já vem se consolidando”.

Segundo Valadão, a inscrição teve grande incentivo do fundo de investimento da startup, a Kaszek Ventures. “Disseram que tínhamos um ponto de maturidade bom e recomendaram que a gente participasse”.

Após preencher o formulário, em março, a equipe da startup teve que gravar um vídeo de dois minutos, em que tiveram que apresentar a empresa. Dois meses depois da candidatura, o Guichê Virtual recebeu o retorno positivo do Google.

Arquivei

A plataforma de armazenamento, organização e consulta de informações de notas fiscais começou em 2015. Com o foco em empresas, a startup recebe notas ficais diretamente do governo e transforma os dados em informações para o usuário.

“Fiquei sabendo do programa por pessoas próximas ainda na seleção passada, mas acabei recebendo a informação em cima da hora e não consegui fazer a inscrição. Fiquei esperando essa nova classe e passamos de primeira”, contou o CEO da Arquivei, Christian de Cico.

Com o conhecimento que tinha do Launchpad Accelerator, a startup de Christian conseguiu se preparar com antecedência para o desafio. “Todas as etapas acontecem ao mesmo tempo, não é difícil mas requer dedicação. Eles pedem um raio-x da empresa. Junto com o formulário, você envia um vídeo em inglês falando da empresa”.

“Vejo o Google como uma empresa sinônimo de tecnologia, que faz coisas simples com extrema qualidade. Queremos aprender as tecnologias mais recentes, pensando em desempenho e evolução do produto”, disse Cico.

Ainda segundo o CEO, a expectativa para 2017 é crescer cinco vezes em relação ao ano passado. Atualmente, a Arquivei conta com mais de 22 mil empresas cadastradas, e a previsão é chegar no final de 2017 com 50 mil clientes.

“Com todos os problemas que o Brasil enfrenta, o Google tomar essa posição mostra que o país não está parado e as empresas de tecnologia tem grande potencial de crescimento aqui. Tem muita gente lá fora olhando pra nós”.

Contabilizei

Antes de abrir a startup, Vitor Torres, CEO, co-fundou a Supernova, aceleradora de startups no Paraná. A empresa contava com serviços de contabilidade de um escritório. “Passamos por mais de quatro contadores e eles não me atendiam da forma que eu queria. A Contabilizei nasceu quando a gente enxergou a oportunidade no mercado”, contou ele.

Trazer a contabilidade para o mundo digital veio após o sucesso da plataforma para outras empresas, como os bancos. Em 2014, a startup começou a atender clientes, com foco em micro e pequenas empresas de serviço e comércio.

“Nos inscrevemos na edição passada e não fomos selecionados”, apenas o formulário, contou Torres, demora mais de 4 horas para o preenchimento, uma vez que o vídeo de apresentação precisa estar anexado na hora do envio.

“A apresentação foi o mais difícil, não somos artistas então quando você coloca uma câmera na nossa frente e temos que falar inglês, que não é nossa língua materna, foge um pouco do dia a dia”.

Torres ainda conta que a previsão é que a empresa cresça 400% a mais em 2017 do que em relação ao ano passado. O número de clientes da contabilidade chega a milhares. “Um escritório tradicional tem cerca de 70 ou 80 clientes”.

“Com o programa, queremos aprender a fazer produtos mais ágeis e atender as expectativas dos nossos clientes”, ressaltou o CEO.

Contratado.ME

Lucas Mendes, co-fundador, criou a startup com o sócio quando estava no Vale do Silício, em 2014. A plataforma de recrutamento seleciona os candidatos com os melhores currículos para que as empresas abordem diretamente o participante.

Apenas algumas carreiras podem se inscrever no site, entre elas estão designer, marketing digital, negócios e desenvolvedores de software. “Os candidatos fazem um único processo e ficam visíveis para as empresas. É um mercado que carece de tecnologia, nossa missão é tornar o mercado mais eficiente e colocar o candidato no centro de tudo”, explicou Mendes.

O Contratado.ME acabou participando do processo do Google por meio de indicações de empresas que passaram pelo Launchpad Accelerator. Assim, foi convidada a fazer parte da seleção.

“Esperamos nos conectar com as últimas tecnologias de marketing digital e big data, que são o DNA do nosso negócio. Queremos beber direto da fonte pra injetar mais tecnologia no nosso negócio”, contou o empreendedor.

Em 2016, a startup contava com 400 empresas cadastradas na plataforma. Hoje, são cerca de 1.100. O faturamento também cresceu cerca de 800% em 2017, em relação ao ano passado, segundo o CEO.

“Dobramos de tamanho nos últimos dois meses, esse mês batemos o recorde no número de contratações de candidatos”.