Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sobrevida de Temer não aumenta chances de reforma da Previdência

Governo terá que ceder para tentar aprovar uma proposta ainda mais desfigurada, o que esvaziará objetivo de reequilíbrio das contas do INSS, dizem analistas

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assegurou uma sobrevida ao presidente Michel Temer, mas as perspectivas de aprovação da principal bandeira de seu mandato, a reforma da Previdência, continuam seriamente comprometidas. Essa é a avaliação de analistas sobre os cenários prováveis para as principais medidas planejadas pelo governo na área econômica.

“Não é um Temer fortalecido que emerge dessa decisão do TSE. Ele não voltará a ser o que era antes da delação”, diz João Augusto de Castro Neves, diretor para a América Latina da Eurasia, consultoria de análise de risco político. Ele aponta para o fato de que a base de apoio no Congresso já sofreu dissidências (e que novas podem aparecer), ainda que alguns parlamentares possam voltar. “A base estará menos coesa do que antes e o custo para mantê-la e aprovar projetos polêmicos vai aumentar”, diz o analista. Ele também avalia que novas denúncias contra o presidente vão continuar a aparecer, seja pela Procuradoria Geral da República ou na imprensa. A Eurasia estima em torno de 30% as chances de Temer não conseguir terminar o mandato presidencial ao fim de 2018. Antes da absolvição pelo TSE, essa probabilidade era de 60%.

Visão semelhante tem o economista Juan Jensen, sócio da 4E Consultoria. “A reforma da Previdência ficou comprometida. O projeto que está hoje na Câmara teria que ser alterado em mais alguns pontos para convencer os deputados que são contrários a mudar de ideia”, diz Jensen. Mas ele alerta que, ao fazer isso e desfigurar a proposta, o governo não resolverá o problema fiscal de aumento do déficit público e da trajetória da dívida. Ou seja, o próximo presidente da República, que, em tese, assume em 2019, teria que rapidamente se dedicar a aprovar uma reforma mais abrangente da Previdência.

Por outro lado, as perspectivas de aprovação são maiores para a reforma trabalhista, que passou pela Câmara dos Deputados no fim de abril. “A reforma trabalhista deve passar, porque depende apenas de maioria simples no Senado”, diz Jensen, em referência à votação necessária para a aprovação do projeto de lei. Medidas na área de energia, como a retomada de leilões, também devem avançar, segundo Castro Neves, porque enfrentam menor resistência no Congresso e são mais fáceis de viabilizar. Já a reforma da Previdência tramita como Proposta de Emenda Constitucional (PEC) e, portanto, necessita de dois terços do quórum total da Câmara e do Senado, em dois turnos em cada casa, para que seja aprovada.  “Temer deve fazer concessões e anunciar pacotes de bondade, até para ele tentar recuperar um pouco de popularidade. E também angariar apoio em algumas matérias importantes. Mas respeitando as metas fiscais, ao menos as de curto prazo”, afirma Jensen.

Mas, apesar do provável adiamento da reforma da Previdência, o analista da Eurasia tem uma avaliação positiva de médio prazo. “O tema das reformas veio para ficar. Desde 2015, quando a presidente Dilma Rousseff iniciou o segundo mandato, o tema está na mesa. O que eu quero dizer? Se o Temer não conseguir aprovar a Previdência agora, não será o fim do mundo”, diz Castro Neves. “O Brasil é um país que faz reformas em ritmo lento, mas não achamos que haverá uma guinada das políticas de volta para o passado (pré-2015). O que vai acontecer é que os custos vão ficar para o governo seguinte.”

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Wagner Martins

    Temer não saiu vencedor. Apequenou se ainda mais. Comprar apoio para manter se no poder é simbólico, retrato fiel da política nacional. Mas, quanto a dignidade, a honra, o sentimento de governar para o povo e pelo o povo? Não interessa conquanto consiga se satisfazer a mesquinhez e doentia representadas na figura metonimica do Mercado.

    Curtir

  2. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Vamos em frente presidente, até 2018 e reformando tudo pela frente.

    Curtir

  3. Marcos Ramos

    Se não tem jeito, pelo menos não se encontre com comparsas nos locais oficiais. Pelo menos seja um bandido competente. A que ponto chegamos. Somos mesmo um povo muito fraquinho.

    Curtir

  4. ADRIANOVIAJANTE007

    As reforma faz parte de um plano de ação criminosa para desvio logo mais do dinheiro público do que deveria ser benefícios aos pobres e honestos que durante décadas são os que realmente produzem neste país.

    Curtir

  5. Fábio Luís Inaimo

    É justamente por causa das reformas e da perda das benesses dos impostos sindicais obrigatórios que se tenta derrubar Temer, isso só favorece o PêTê !!! ….Vai ajuda-los ?????

    Curtir

  6. Fábio Luís Inaimo

    Viajante….viajou !! Não somos um povo “fraquinho” só um pouco burro, derrubamos a Presid’anta PeTralha que Fraudava a democracia, agora resta eleger em 2018 alguém que mereça !!!

    Curtir

  7. Fábio Luís Inaimo

    O “Plano” , foi posto empratica desde o Foro de São Paulo para implantação do comunismo Bolivariano no Brasil e américa do sul oque vemos agora é a esquerda bolivariana a espernear ao ser apeada do poder !!!

    Curtir

  8. Esses funcionarios so sorvem para pilhar. Anarquia Ja.

    Curtir