Senado define hoje calendário de votação da reforma trabalhista

A base governista quer votar o texto antes do recesso parlamentar, que começa no dia 18 de julho

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), deve definir nesta terça-feira o calendário de votação da reforma trabalhista no plenário da Casa. A base governista quer votar o texto antes do recesso parlamentar, que começa no dia 18 de julho.

Para dar tempo, Eunício vai colocar em votação hoje requerimento de urgência para a tramitação da proposta. Se o requerimento de urgência for aprovado, a reforma pode ser colocada em votação depois de duas sessões ordinárias do Senado.

O senador Jorge Viana (PT-AC) defende que, durante esta semana, o tema seja apenas debatido pelos parlamentares e que o encaminhamento e votação fiquem para o dia 12 de julho.

Os líderes se reúnem nesta terça, a partir das 14h30, para discutir a tramitação da reforma. O líder do governo e relator da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Romero Jucá (PMDB-RR), diz que a votação não pode passar da próxima semana.

A aposta da oposição para tentar barrar a reforma trabalhista é que Michel Temer perca apoio parlamentar ao longo dos próximos dias. A Câmara analisa um pedido de abertura de inquérito contra o presidente da República pelo crime de corrupção passiva.

A reforma trabalhista já passou por três comissões do Senado. Numa delas, a Comissão de Assuntos Sociais, a proposta governista, relatada pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), foi rejeitada.

(Com Agência Senado)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nathan Khornnes

    A reforma trabalhista tal como foi projetada por legisladores oportunistas e não confiáveis, é um paradoxo político e o povo não deve aceitar.

    Curtir

  2. Ninguém explica como ficará o trabalho temporário?! Tem que ser igual a Inglaterra ao ajuizar ação trabalhista: pagar, porovar o que está pedindo e, se no decorrer da ação o juízo constatar mitigância de má fé, o reclamante e o advogado que paguem multa. E, chega do Estado arcar com os honorários assistenciais!

    Curtir

  3. Reforma feita às pressas, interessa somente ao capital. O senado agachado, vai referendar um projeto da câmara sem mudar uma vírgula.

    Curtir

  4. ADRIANOVIAJANTE007

    Mais miséria para o povo com estas malditas reformas.

    Curtir