Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Sem reformas, Brasil será sempre o país do futuro’

O comentarista-chefe de Economia do 'Financial Times' afirma que não há segredo na receita para a recuperação econômica: corte de gastos e realização imediata de reformas estruturais

O Brasil é a sétima economia do mundo e se movimenta tão rápido quanto um mastodonte: não consegue avançar com a rapidez necessária para dar um grande salto de desenvolvimento. A avaliação é do economista britânico Martin Wolf, comentarista-chefe do Financial Times e atento observador da economia brasileira. Segundo Wolf, o quadro de estagnação da economia brasileira só vai mudar se o país conseguir melhorar consideravelmente sua taxa de poupança e investimentos.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil cresceu apenas 0,1% no ano passado. Se em 2014 o país escapou da contração econômica por causa da mudança de metodologia no cálculo do PIB, em 2015, será difícil reverter o número vermelho. Expectivas de economistas consultados pelo Banco Central (BC) para o relatório Focus mostram contração de aproximadamente 0,87% no ano. “Essa situação é muito improvável de ser mudada em breve, especialmente ciclicamente. Se isso o faz permanentemente o país do futuro, então ele continuará assim”, afirma o economista. Leia trechos da conversa.

A crise econômica brasileira deve perdurar no longo prazo?

Não está muito claro se o Brasil, de fato, passa por uma crise. A meu ver, parece mais que o país está vivendo no período baixo de um longo ciclo econômico que deve levar ainda um tempo. De 2000 a 2014 o Brasil cresceu, em média, aproximadamente 3% ao ano. Ao que parece, essa é a taxa de crescimento potencial do país sob as atuais políticas e estruturas econômicas. De qualquer forma, eu não vejo como o Brasil poderia ter um forte crescimento no ano que vem, dada a situação fiscal e a desaceleração da economia da China. É preciso entender que o Brasil é uma economia grande e de baixo crescimento, com baixíssimas taxas de poupança nacional e investimento doméstico. Essa situação é muito improvável de mudar logo, especialmente ciclicamente. Se isso o faz permanentemente o país do futuro, então ele continuará assim.

O boom de crescimento baseado em consumo foi uma ilusão?

De certa forma, sim. Houve um otimismo excessivo. A expectativas eram excessivas e as pessoas interpretaram um ciclo de bonança como uma tendência. Acho difícil que o Brasil volte a despertar esse tipo de euforia. Mas não se pode exagerar também. O Brasil é atraente para investidores estrangeiros por seu tamanho, dado o grande mercado consumidor e de fontes naturais. O que o Brasil precisa é de maiores investimentos e poupança. Esta é a necessidade há muito tempo. O melhor estímulo vem do maior investimento, não do consumo.

A solução do problema fiscal ainda em 2015 não é descartada pelo governo. O que o senhor acha disso?

Eu não sei se a presidente conseguirá fazer o que é preciso. Eu não posso dizer que eu acho que o Brasil vive um sério problema fiscal porque os níveis de dívida líquida pública são modestos em comparação ao Produto Interno Bruto e o déficit fiscal não aparenta ser tão grande também. Não obstante, um país com uma taxa de poupança privada tão baixa precisa de uma posição fiscal mais forte. O maior problema do setor fiscal, contudo, é que os gastos do governo tem uma participação muito alta no resultado do PIB para um país com esse nível de desenvolvimento.

Leia mais:

Economia brasileira escapa por pouco da retração ao subir 0,1% em 2014

‘Brasil tem lição a aprender com o Peru’

O governo brasileiro tem usado como desculpa a crise internacional para justificar a crise econômica brasileira. O senhor concorda com essa avaliação?

Acredito que a fonte das dificuldades que o Brasil enfrenta é predominantemente doméstica. O Brasil sentiu muito menos os efeitos da crise internacional por causa do boom das commodities. O problema é que os benefícios desse boom foram desperdiçados.

O México é comparado ao Brasil em muitos aspectos. Você acha que isto é porque os investidores confiam mais no governo mexicano ou nos números de sua economia?

O México é visto como um país que fez reformas estruturais importantes nos últimos anos, enquanto o Brasil, não. Contudo, os dois não são muito diferentes, apesar dos contrastes óbvios na estrutura e direção do seu comércio. Ambos precisam melhorar bastante a governança e aumentar a poupança e a taxa de investimentos. Mas o Brasil precisa de reformas estruturais em sua economia também – o que o México já tem tentado fazer recentemente.

Leia ainda:

Pibinho do Brasil não é culpa da crise externa, dizem analistas

Estagnação não tira do Brasil posto de 7ª economia