Rombo na previdência sobe 28,1% no acumulado do ano

Resultado de abril mostra avanço de 22% no déficit em relação a março

No acumulado dos quatro primeiros meses deste ano, o déficit da Previdência teve alta de 28,1% na comparação com igual período do ano passado. Considerando valores atualizados, o rombo chega a 21,025 bilhões de reais entre janeiro e abril ( número um pouco maior, portanto, do que o valor de 20,848 bilhões de reais anunciado pelo Tesouro Nacional no final de maio). Em igual período do ano passado, o déficit acumulado foi de 16,416 bilhões de reais, também levando em conta números atualizados. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Previdência Social (MPS).

O déficit do mês de abril de 2013 foi de 6,18 bilhões de reais, alta de 22,2% na comparação com março, quando foi registrado resultado negativo de 5,060 bilhões de reais. Na comparação com abril do ano passado, o rombo da Previdência cresceu 8,5%.

Leia também:

Parcelamento de dívidas estaduais é regulamentado

Rombo da Previdência dispara e chega a 5 bilhões em março

Governo central tem pior superávit primário para abril em 9 anos

O resultado negativo visto em abril representa a diferença entre arrecadação líquida total de 25,266 bilhões de reais e despesas de 31,448 bilhões de reais.

Após uma série de desonerações que o governo federal vem anunciando para estimular a atividade econômica, o Tesouro Nacional teve de repassar 1,79 bilhão de reais à Previdência em 2012. Em abril deste ano, os repasses somaram 1,9 bilhão de reais. Sem esses repasses, o déficit seria ainda maior.

Gastos Públicos – Em abril de 2013, a Previdência Social pagou 30,364 milhões de benefícios, sendo 26,298 milhões previdenciários e acidentários e, os demais, assistenciais. Houve elevação de 3,7% em comparação a igual mês do ano passado. As aposentadorias somaram 16,9 milhões de benefícios.

O valor médio dos benefícios pagos pela Previdência entre janeiro e abril de 2013 foi de 907 reais, o que representa crescimento de 22,3% em relação ao mesmo período de 2006. A maior parte dos benefícios (69,7%) – incluídos os assistenciais – pagos em abril de 2013 tinha valor de até um salário mínimo, ou seja, um contingente de 21,2 milhões de benefícios.

(com Estadão Conteúdo)