Reunião entre Obama e republicanos termina novamente sem acordo

Senadores afirmaram que o presidente 'está disposto a ouvir', porém, não houve resultado definitivo sobre o aumento do teto da dívida

Senadores republicanos dos Estados Unidos descreveram sua reunião na Casa Branca com o presidente Barack Obama nesta sexta-feira como respeitosa e construtiva, mas disseram que nenhum acordo foi alcançado para elevar o limite da dívida ou encerrar uma paralisação do governo. “Houve conversas sobre tudo”, disse o senador Dan Coats, de Indiana. “Foi construtiva, mas não houve resolução” sobre diferenças em relação ao aumento do limite da dívida e ao encerramento da paralisação, que já dura onze dias.

O senador Orrin Hatch, de Utah, afirmou que Obama expressou preocupações com a duração de uma proposta republicana da Câmara dos Deputados para a extensão de curto prazo do limite da dívida. Já o senador republicano Rob Portman, de Ohio, disse que não houve uma definição, mas sim uma constatação de que os dois lados estão se ouvindo. “O presidente estava determinado a ouvir e também a dar seu ponto de vista, então acho que foi produtivo”, afirmou.

Leia também:

Obama rejeita proposta de republicanos sobre teto da dívida

Default dos EUA poderá custar US$ 2 tri aos poupadores

Sem aumento do teto da dívida americana haverá dano mundial, diz FMI

Assessores de Boehner e do líder da maioria na Casa, Eric Cantor, detalharam a proposta no fim da noite de ontem em reunião com autoridades da Casa Branca. Além de acabar com a paralisação e elevar o teto da dívida, a proposta inclui um alívio dos cortes automáticos de gastos que entraram em vigor este ano, mas eles serão substituídos por cortes em programas sociais apoiados pelo presidente Barack Obama.

Obama mantém a pressão pela reabertura rápida do governo norte-americano, junto com um aumento de emergência da capacidade de empréstimo dos EUA. Com a paralisação parcial do governo, e a menos de uma semana para que o Departamento do Tesouro fique sem dinheiro para pagar as contas do governo, o presidente democrata tem pedido que os republicanos do Congresso acabem com o impasse fiscal que atinge todo país.

O vice-presidente Joe Biden se juntou ao presidente para reivindicar uma ação rápida do Congresso, que pode acontecer antes do final da semana se a série de novos esforços dos republicanos da Câmara dos Deputados derem frutos.

Contexto – A cada ano, o Congresso deve votar um projeto de orçamento estabelecendo prioridades e o valor de financiamento a ser liberado para o setor público. Contudo, com o Senado e a Câmara dos Representantes dominados por partidos opostos, um impasse tem se tornado constante na hora de definir o orçamento.

Mecanismos foram criados para permitir, de forma automática, que o orçamento para financiar tais setores fosse ampliado ao longo do ano. Contudo, o último mecanismo possível terminou em 30 de setembro. Assim, como democratas e republicanos não chegaram a um acordo, atividades consideradas “não essenciais” do governo foram paralisadas no dia 1º de outubro, devido à falta de recursos.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)