Relator reconhece derrota do governo em votação de reforma

Para Ricardo Ferraço (PSBD-ES), resultado foi "mais político do que regimental" e pode enfraquecer o apoio à proposta trabalhista no plenário do Senado

O relator da reforma trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSBD-ES), avaliou que a rejeição do seu parecer por 10 votos a 9 na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), nesta terça-feira (20) representa uma derrota para o governo. Ele considera que o resultado é “mais político do que regimental” e pode enfraquecer o apoio à proposta no plenário da Casa.

“Na prática, o resultado de hoje significa que o governo não conseguiu articular os senadores para poder aprovar a matéria na CAS. Não muda a tramitação, mas evidentemente é uma derrota política do governo”, disse Ferraço.

Mesmo após o resultado na CAS, a reforma seguirá normalmente para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o relator será o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR) e, depois, para o plenário da Casa. No início do mês, o parecer de Ferraço já havia sido aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Desembarque

Nesta terça, Ferraço voltou a defender que o PSDB deveria desembarcar do governo do presidente Michel Temer e entregar todos os cargos nos ministérios, mas continuar “liderando a aprovando” as reformas econômicas. “Esse projeto, a meu juízo, não é de propriedade do governo, muito menos de qualquer governante de plantão, esse projeto é importante para o País”, afirmou o tucano.

O parlamentar lembrou que na quarta-feira está prevista uma reunião da Executiva Nacional da sigla para discutir o assunto.

Para rebater as críticas da oposição ao texto final, Ferraço defendeu que a proposta da reforma trabalhista mantém todos os direitos fundamentais da Constituição e que o projeto visa apenas “modernizar” a legislação. “O que o Brasil vai ter que discutir, o Senado, é se nós vamos continuar olhando o nosso País pelo retrovisor ou pelo para-brisa. O que nós estamos tentando fazer com as leis trabalhistas no Brasil foi feito no mundo todo que progride e que prospera. Estamos fazendo efetivamente uma opção pelo atraso, essa é a decisão da CAS”, criticou Ferraço.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Iório

    O que e bom para essa oposicao, nao e bom para o pais pois, os de esquerda, inconformados com a perda do poder, torcem para “o quanto pior, melhor”! Decididamente, nada fazem em prol do povo e do pais, apenas por sua obssessao pelo projeto criminoso de poder instituido por Lula e confirmado por Dilma.

    Curtir