Reforma trabalhista avança no Senado em meio a bate-boca

Apesar de confusão provocada pela oposição e da crise política do governo com a delação da JBS, projeto segue conforme o calendário programado

A já esperada grita por parte de senadores de oposição não conseguiu impedir, nesta terça-feira, o avanço da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Em uma sessão tumultuada, com direito a bate-boca, dedos em riste e suspensão dos trabalhos, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) apresentou o relatório final da matéria, passo necessário para permitir que o texto continue avançando e chegue ao plenário.

A sessão se arrastou por sete horas e acabou suspensa após o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) não aceitar a derrota na votação de um requerimento que adiaria a leitura do parecer e, sem mais artimanhas regimentais, partiu para cima do relator Ferraço e do presidente do colegiado, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). “Eu estou profundamente chocado”, disse Tasso, após o episódio. Apesar da confusão, ele deu o relatório como lido, o que garante a tramitação da matéria conforme o calendário planejado.

A apresentação do parecer, uma medida que seria apenas protocolar, traz um certo alento ao presidente Michel Temer, que entrou no centro da Operação Lava Jato na semana passada com as explosivas delações feitas por executivos do grupo JBS. A sessão desta terça-feira era considerada o primeiro teste de fogo de Temer após a denúncia de ter dado aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e indicado um aliado para negociar o pagamento de propinas. Acuado, Temer tenta impor um ritmo de normalidade no Congresso.

A delação da JBS foi o primeiro assunto discutido na sessão, quando o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) – sempre ele – questionou o episódio da última quarta-feira, dia em que as primeiras denúncias da JBS começaram a ser divulgadas. O presidente do colegiado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), porém, sustentou que o momento é “gravíssimo” e que há uma “crise profunda” no país, mas que isso deve estimular os trabalhos parlamentares como um gesto de que o país “não está totalmente à deriva”. Tasso assumiu na última semana o comando do PSDB, após o então presidente do partido, senador Aécio Neves (MG), ser afastado por também cair no grampo da JBS em meio a conversas nada republicanas. Ele mantém, ao menos por ora, o partido como aliado do governo Temer.

O relator Ricardo Ferraço chegou a anunciar na semana passada que a tramitação das novas regras da lei trabalhista estaria suspensa. Nesta manhã, ele recuou e disse que não poderia parar os trabalhos por causa da crise política. “Nós não estamos em recesso”, afirmou. O tucano, por outro lado, não fez previsões de quando o projeto será analisado em plenário. Se não houver nenhuma mudança no rito, o texto deve tramitar em outras duas comissões – a de Assuntos Sociais (CAS) e a de Constituição e Justiça.(CCJ) A matéria pode ser votada na CAE na próxima semana.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luís Fernando Gasparoto

    Esta na hora de acabar com a mamata sindical nesse país, nomes como Lindenberg e outros que se vêem nitidamente que ali estão apenas para atrapalhar… devem e vão sumir dos pleitos nas próximas eleições, esta na hora do povo mostrar que quer um país diferente.

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    ps
    Gratidão ( ïN ) & C O V A R D I A :
    : A
    pQp

    Curtir

  3. news da hora

    De barraqueiros e Petralhas , como o senador Linderberg Farias , Gleisi Hoffmam , o novo Brasil , não precisa . Tem que ter homens e mulheres do quilate da ministra Carmen lúcia , Joaquim Barbosa , … , .

    Curtir

  4. Ronaldo Serna Quinto

    LINDOberg e seus amigos petistas estão indignados que a JBS deu menos dinheiro a eles do que ao Temer!!! Que país…

    Curtir

  5. Esse Lindbergh Farias (PT-RJ) é um desclassificado. Na falta de argumentos racionais parte para a violência física, não sabe perder. Deve ser defenestrado da política e tentar ganhar a vida trabalhando duro.

    Curtir

  6. Vai senado, não se deixe intimidar por barulho; o Brasil vem sempre em primeiro lugar. As reformas são essenciais e o país tem sede de avançar e gerar empregos! Avante com coragem!

    Curtir

  7. Cade os movimentos Vem pra Rua e MBL para agendar uma manifestação nacional pelas reformas e por geração de empregos! Já passou da hora de pensarmos no país!

    Curtir