Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Primeiro trimestre confirma que Brasil caminha para mais um Pibinho

Resultado de 0,2% nos três primeiros meses do ano demonstra perda de ritmo da atividade econômica e continuidade da expansão tímida no segundo trimestre

A economia brasileira cresceu 0,2% no primeiro trimestre de 2014, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira. No quarto trimestre do ano passado, a expansão havia sido de 0,7%. Na comparação com o mesmo período de 2013, quando houve expansão de 0,6%, o Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 1,9%. O número veio em linha com as expectativas de mercado, que apontavam para alta tímida entre 0,1% e 0,4%. A soma de toda a riqueza produzida pela economia do país no período foi de 1,2 trilhão de reais. Desse total, o setor de serviços respondeu por 716,2 bilhões de reais, seguido por indústria (241 bilhões de reais) e agropecuária (61,7 bilhões). O IBC-Br, indicador prévio do PIB, medido também pelo BC, havia apontado expansão de 0,3% de janeiro a março.

No período acumulado em doze meses, o PIB cresceu 2,5%, com desempenho positivo tanto em agropecuária (4,8%), indústria (2,1%) e serviços (2,2%).

O PIB é analisado pelos economistas sob duas óticas distintas: a da oferta, representada pelo setor produtivo (agropecuária, indústria e serviços) e a da demanda, representada por investimentos, consumo das famílias, gastos do governo e balança comercial (exportações menos importações).

Leia ainda: BC encerra ciclo de alta dos juros e mantém taxa Selic em 11% ao ano

Oferta – O fraco desempenho do PIB ocorre em meio à dificuldade da indústria de voltar a crescer — o setor é visto como o principal entrave a uma expansão mais robusta da economia. A indústria registrou queda de -0,8% de janeiro a março.

Demanda – O setor de serviços contribuiu positivamente para o PIB do trimestre, com expansão de 0,4%. Com a inflação próxima ao teto da meta – 6,5% ao ano -, a renda das famílias acaba sendo afetada, prejudicando o comércio. O crescimento de 4,5% no volume de vendas neste início de ano é o mesmo da expansão em doze meses.

Por fim, o PIB da agropecuária foi o que mais cresceu em termos porcentuais, com expansão de 3,6% no período. Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o PIB agrícola avançou 2,8%.

Após crescer nos quatro trimestres de 2013, a Formação Bruta de Capital Fixo, que mede os investimentos no país, recuou 2,1% no primeiro trimestre do ano, devido, principalmente, à queda das importações de bens de capital e ao recuo da construção e da produção interna de bens de capital.

A taxa de investimento no primeiro trimestre foi de 17,7% do PIB, abaixo do observado no mesmo período do ano anterior (18,2%). A taxa de poupança foi de 12,7% no primeiro trimestre de 2014 (ante 13,7% no mesmo período de 2013).

Leia mais:

Economistas elevam projeção de inflação a 6,43%​

Exportações – As exportações brasileiras subiram 2,8% no primeiro trimestre de 2014 em relação ao trimestre anterior, enquanto as importações avançaram 1,4%. Segundo o IBGE, os destaques das vendas ao exterior foram: máquinas e tratores; refino de petróleo e petroquímicos; petróleo e carvão e produtos agropecuários. Nas importações, material eletrônico; metalurgia; siderurgia, peças e outros veículos e produtos químicos se destacaram.

A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada para a elaboração da balança comercial. No PIB, entram bens e serviços, e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram somente bens, e o registro é feito em valores, com grande influência dos preços.