Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Preço do imóvel pronto desacelera em janeiro

Alta em doze meses até janeiro foi de 13,5%, menor do que a vista em dezembro (13,7%)

Os preços dos imóveis estão perdendo o fôlego, como mostra pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Pelo segundo mês consecutivo, a variação em 12 meses do preço médio do metro quadrado dos imóveis prontos, a maioria usados, desacelerou. O índice Fipe Zap, que pesquisa os preços na internet em 16 cidades, registrou alta de 13,5% no preço do metro quadrado em 12 meses até janeiro, ante 13,7% em dezembro e 13,8% em novembro.

Movimento também de desaceleração foi registrado nas variações mensais de preço. Na média das 16 cidades pesquisadas, o preço do m² dos imóveis anunciados na internet aumentou 0,8% em janeiro na comparação com o mês anterior. Em dezembro, a variação mensal havia sido de 1%.

São Paulo – Um dado relevante da pesquisa é que o preço do metro quadrado dos imóveis em São Paulo, o principal mercado do país, registrou em janeiro a menor variação mensal da série histórica, iniciada em janeiro de 2008. No primeiro mês do ano, o preço do m² na cidade de São Paulo aumentou 0,70% para 7.839 reais. “É praticamente a variação esperada para inflação neste mês”, compara coordenador do índice, Eduardo Zylberstajn, citando o último Boletim Focus do Banco Central, que projeta inflação de 0,72% para janeiro.

Leia mais:

Inflação da baixa renda acelera para 0,71% em janeiro

Sem saída, Dilma pede apoio do Congresso para controlar inflação

Economistas reduzem projeção de inflação em 2014 para 6%

Zylberstajn observa ainda que, em janeiro, a maioria das cidades pesquisadas teve variação de preços muito próximas da expectativa de inflação, com exceção do Rio de Janeiro (1,2%), Recife (1%), Florianópolis (1,6%), Porto Alegre (1,2%), Vitória (1,4%) e Niterói (1,1%). “Até pouco tempo atrás era difícil encontrar cidades com preços subindo igual ou abaixo do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Hoje é mais frequente”, diz Zylberstajn.

O coordenador acredita, porém, que ainda é cedo para tirar conclusões sobre tendências. O IPCA de janeiro será divulgado na próxima sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

(com Estadão Conteúdo)