PIB do México — o novo queridinho — cresce apenas 1,1% em 2013

Economia mexicana registrou o pior resultado desde 2009, pressionada por exportações mais fracas para os Estados Unidos

O Produto Interno Bruto (PIB) do México registrou alta de apenas 1,1% em 2013. Foi o pior resultado desde 2009, abaixo do crescimento de 3,9% no ano anterior e das estimativas do governo mexicano de expansão de 1,3%, segundo dados divulgados pela agência nacional de estatísticas. No quarto trimestre de 2013, a economia avançou 0,7% ante o mesmo período do ano anterior, também abaixo das expectativas de crescimento de 0,9%. Na comparação com o terceiro trimestre, a atividade econômica expandiu 0,18%, em termos ajustados sazonalmente.

Leia também:

OCDE: reformas perdem força após a crise financeira global

FMI: emergentes precisam responder à turbulência com reformas

A desaceleração da economia mexicana pode ser explicada pelas exportações mais fracas para os Estados Unidos, que registraram o ritmo mais baixo desde 2009. O resultado fez com alguns analistas começassem a revisar para baixo as previsões de crescimento do PIB para 2014. O Barclays reduziu sua estimativa de alta do PIB de 2014 para 3% ante os 3,7% divulgados anteriormente. Apesar disso, agentes do mercado ainda mantem uma perspectiva positiva para a economia mexicana este ano, após a agência de classificação de risco Moody’s elevar o rating soberano país de Baa1 para A3.

“Acreditamos que essa desaceleração ou estagnação (do PIB) é resultado de componentes cíclicos. Por exemplo, os Estados Unidos não estão se recuperando tão rapidamente como muitas pessoas estavam esperando – e bons números podem ser divulgados mais para frente. A economia será afetada por impostos mais altos fixados em janeiro, o que tem abalado a confiança do consumidor”, afirma o economista do Barclays, Marco Oviedo. “Não vejo nenhum problema estrutural por trás dos recentes dados mais fracos. A elevação do rating aconteceu com base na perspectiva de melhora do crescimento no médio prazo. A questão, agora, é quando começaremos a observar dados positivos”, acrescenta.

(com Estadão Conteúdo)