Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PIB da zona do euro cresce 0,2% no 3º trimestre

Dados divulgados nesta sexta-feira também mostraram que a economia alemã evitou uma recessão depois de avançar 0,1% entre julho e setembro

A economia da zona do euro cresceu 0,2% no terceiro trimestre na comparação trimestral e 0,8% na comparação anual, segundo dados preliminares publicados nesta sexta-feira pela Eurostat. Os resultados ficaram ligeiramente acima das estimativas de alta de 0,1% e de 0,7% de analistas consultados pela Market News International e pela Dow Jones Newswires.

“A economia da zona do euro ainda está crescendo, embora com ritmo lento, apesar de todos os alertas de hecatombe do FMI e de outros”, disse o chefe de pesquisa de mercados financeiros e macroeconomia da ABN AMRO, Nick Kounis.”Uma recuperação lenta em vez de recessão no terceiro (trimestre) parece estar nas cartas. Tendo dito isso, não há possibilidade de que as autoridades possam estar satisfeitas com este cenário”, disse ele.

Leia também:

Mercado aposta em crescimento de apenas 0,2% em 2014

Economia americana cresce 3,5% no 3º trimestre

Países – A economia alemã evitou entrar em recessão depois de crescer 0,1% no terceiro trimestre. O PIB da Alemanha retrocedeu 0,1% no segundo trimestre, segundo a Agência Federal de Estatísticas. Uma nova queda entre julho e setembro teria representado uma “recessão técnica”, termo que designa dois trimestres consecutivos de contração econômica.

A agência informou que o principal impulso positivo à economia alemã veio do consumo das famílias, “que aumentaram fortemente seus gastos”, enquanto o comércio exterior mostrou “ligeiro efeito positivo sobre o PIB”.

Dados preliminares do instituto de estatísticas italiano Istat também mostraram que a economia da Itália encolheu 0,1% no terceiro trimestre na comparação trimestral e 0,4% na comparação anual. Os resultados vieram em linha com as expectativas de analistas consultados pela Dow Jones Newswires. Já o PIB de Portugal cresceu 0,2% entre julho e setembro na comparação trimestral e 1% na comparação anual, de acordo dados preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE).

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)