Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petrobras inicia planejamento para próximos 15 anos

Intenção é atualizar o Planejamento Estratégico Horizonte 2030, lançado em março do ano passado, que está baseado em premissas defasadas

A Petrobras começa a trabalhar em um novo planejamento estratégico para os próximos quinze anos. O ajuste fino será feito com base no orçamento anual da companhia, a “espinha dorsal” da empresa nas palavras do presidente do colegiado, Murilo Ferreira, também presidente executivo da mineradora Vale. A intenção é atualizar o Planejamento Estratégico Horizonte 2030, lançado em março do ano passado, que está baseado em premissas de preços e investimento totalmente distintas das atuais. Entre outros pontos, a estatal estimava atingir uma produção média de petróleo no Brasil e no exterior de 4 milhões de barris por dia de 2020 a 2030.

No novo plano, a empresa já reajustou essa projeção para uma produção de 2,8 milhões de barris diários. Entre as estratégias traçadas a partir da antiga previsão de crescimento para a produção de óleo se destacava a expansão da capacidade de refino no Brasil, que deveria chegar a 3,9 milhões de barris de óleo por dia até 2030.

A estimativa se tornou improvável depois que a companhia retirou de seu plano de negócios projetos como a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), ambos investigados pela Operação Lava Jato. A Rnest foi adiada para 2018 e o Comperj terá apenas uma primeira etapa concluída. A Petrobras busca parceiros para continuar o projeto.

Leia também:

Transpetro rompe contrato com estaleiro no RJ

TCU fiscalizará compra e venda de ativos pela Petrobras

Plano – No fim de junho a Petrobras divulgou seu Plano de Negócios e Gestão 2015-2019, com investimentos estimados em 130,3 bilhões de dólares, um corte de 37% ante a previsão anterior. Além de enxugar o orçamento, a estatal fez uma previsão de levantar mais de 57 bilhões de reais com a venda de ativos até 2018. Para o conselho, entretanto, é preciso ir além. “Nós não estamos satisfeitos. Queremos ter uma visão da empresa pelos próximos quinze anos”, afirmou Murilo Ferreira.

(Com Estadão Conteúdo)