Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petrobras aumenta gás em botijão na refinaria em 6,7%

Nova política de preços prevê reajustes mensais com base na média mensal das cotações do butano e do propano no mercado europeu

A Petrobras aprovou uma nova política de preços para a venda às distribuidoras do gás liquefeito de petróleo, comercializado em botijões de até 13 kg e de uso residencial (GLPP13). A nova fórmula implicará em um aumento médio nas refinarias de 6,7% no produto este mês. Se repassado integralmente ao consumidor, o impacto será de 2,2% – ou 1,25 reais por botijão.

Segundo fato relevante da Petrobras, enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o novo modelo foi definido com base na resolução 4/2005 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que “reconhece como de interesse para a política energética nacional a comercialização, por produtor ou importador, de gás liquefeito de petróleo (GLP), destinado exclusivamente a uso doméstico em recipientes transportáveis de capacidade de até 13kg, a preços diferenciados e inferiores aos praticados para os demais usos ou acondicionados em recipientes de outras capacidades”.

Assim, a nova política de preços não terá como referência a paridade internacional, mas sim será formado pela média mensal das cotações do butano e do propano no mercado europeu convertida em reais pela média diária das cotações de venda do dólar, acrescida de uma margem de 5%. De acordo com a Petrobras, a política está em linha com os parâmetros do planejamento estratégico 2017/2021.

As correções dos valores terão vigência a partir do dia 5 de cada mês, com exceção de junho, no qual as alterações ocorrerão a partir do dia 8.

A aplicação da nova fórmula de preços para o GLP-P13 implicará um aumento médio nas refinarias de 6,7% no produto neste mês. “O preço final ao consumidor pode ou não refletir o ajuste feito nas refinarias. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e revendedores, uma vez que a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados”, destacou a Petrobras.

A estatal petroleira enfatizou ainda que corresponde a 25% do valor final, sendo outros 20% tributos e o restante distribuição e revenda (55%).

A Petrobras lembrou que o último reajuste ocorreu no dia 21 de março de 2017 e que a política anunciada nesta quarta não se aplica ao GLP destinado a uso industrial/comercial.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Artur Britto

    Essa conta quem tinha que pagar é o PT de Luladrão e Bandilma, pois não deixaram a Petrobrás ser privatizada alegando que o petróleo seria entregue a o Imperialismo Americano e na verdade foi entregue as ratazanas do PT. Cobrem deles e confisquem tudo que está em nome de laranjas.

    Curtir

  2. Fulano de Tal

    Não foi explicado porque a referência ao mercado europeu.

    Curtir

  3. Alguém tem duvida, que sera repassado para os pagadores do circo. Agora veremos se sera com % correto.

    Curtir