Para o criador do Bric, Brasil decepciona

Jim O'Neill se aposenta, mas diz que a escolha dos quatro países do BRIC estava correta, apesar de o Brasil

Se a China crescer 7,5% e o mundo desenvolvido voltar aos trilhos, a economia global pode tranquilamente crescer 4,5% ao ano, diz O’Neill

O presidente da Goldman Sachs Asset Management, Jim O’Neill, criador da sigla Bric, em alusão ao grupo de países emergentes, despediu-se ontem dos clientes antes da aposentadoria anunciada há alguns meses. No último documento enviado aos investidores, ele mostrou uma visão esperançosa da economia global para os próximos anos e demonstrou simpatia com outro grupo de países emergentes: o Next11 ou simplesmente N11.

Com o título O Mundo, o texto destaca a ascensão das economias emergentes, que passaram a ter uma fatia mais expressiva da economia global nos últimos anos. O’Neill mostra com números que a escolha do grupo de Brasil, Rússia, Índia e China – os Brics – estava correta, já que os quatro países lideraram a expansão emergente recente. Para ele, se a China crescer 7,5% e o mundo desenvolvido voltar aos trilhos, a economia global pode tranquilamente crescer 4,5% ao ano.

Leia ainda: “Aperto fiscal ainda é a melhor solução para o câmbio”, diz Jim O’Neill

Brasil sugere criação do ‘banco dos Brics’ em 2014

Brics tentam acertar divergências para tirar do papel seu novo banco

Apesar do sucesso da sigla criada em 2001, o economista demonstra algum descontentamento com o Brasil. “Tanto o Brasil como a Rússia estão, nesta década até agora, crescendo menos do que nós havíamos previsto. Isso poderia ser uma desaceleração em relação ao desempenho da última década”, continuou na carta.

O economista reconheceu na carta que há uma mudança de ritmo recentemente: desaceleração dos Brics em contraste com a aceleração do N11, grupo formado por Bangladesh, Coreia do Sul, Egito, Filipinas, Indonésia, Irã, México, Nigéria, Paquistão, Turquia e Vietnã. “Talvez isso explique a crescente evidência do N11 nos mercados em relação aos Brics.”

Na semana passada, O’Neill apresentou um cenário a investidores em Nova York no qual previa crescimento médio anual de 5,2% para o Brasil entre 2011 e 2020, ante expansão de 3,6% na década passada. Em 2011, porém, o Brasil cresceu 2,7%. No ano passado, o ritmo foi ainda mais fraco: apenas 0,9%. Nesse mesmo quadro, o ainda presidente da Goldman Sachs Asset Management previa expansão média de 5,4% para a Rússia e de 7,5% para China e Índia nesta mesma década.

(com Estadão Conteúdo)