Países em desenvolvimento elevam reservas de ouro, diz FMI

Reservas de ouro do Brasil, no entanto, ficaram inalteradas no mês passado, em 1,08 milhão de onças-troy

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nesta quarta-feira que os países em desenvolvimento, como Rússia, Tailândia e Bolívia, aumentaram suas reservas de ouro em agosto, procurando se afastar de moedas de reserva tradicionais, devido às recentes turbulências nos mercados globais. Segundo o fundo, as reservas de ouro do Brasil ficaram inalteradas no mês passado, em 1,08 milhão de onças-troy.

As reservas do banco central da Rússia subiram em agosto para 27,161 milhões de onças-troy, de 27,043 milhões de onças-troy no mês anterior. As reservas da Tailândia avançaram para 4,4 milhões de onças-troy. Já o ouro detido pela Bolívia aumentou para 1,361 milhão de onças-troy. Tajiquistão e Grécia também elevaram levemente suas reservas.

Os dados do FMI mostram também que alguns países reduziram suas reservas de ouro em agosto. As reservas da Bielo-Rússia caíram para 994 mil onças-troy, enquanto o ouro detido pelo México recuou para 3,392 milhões de onças-troy. República Checa, Mongólia e Uruguai também reduziram levemente suas reservas.

Como os países não são obrigados a se reportar ao FMI, em alguns casos, vendas e compras de ouro só aparecem nos dados do Fundo meses depois.

(com Agência Estado)