Original, do grupo J&F, tem pior resultado entre bancos do país

Instituição financeira teve prejuízo de 144,6 milhões de reais nos três primeiros meses do ano

O braço financeiro do grupo J&F, o Banco Original, teve prejuízo de 144,6 milhões de reais nos três primeiros meses do ano e amargou o pior resultado dentre todas as 1.441 instituições financeiras em operação no Brasil, de acordo com dados do Banco Central. Em 2016, o banco só fechou o ano no azul após uma curiosa operação de venda da marca “Banco Original” aos próprios donos por 422 milhões de reais. Sem a operação inusitada, teria prejuízo de 322,12 milhões de reais.

Em meio ao processo de expansão que levou o grupo J&F a se transformar no maior conglomerado privado do Brasil, Joesley e Wesley Batista uniram o gaúcho Banco Matone e o Banco JBS no início da década em um projeto ambicioso: abocanhar parte do bilionário mercado bancário de varejo. Para a empreitada, os irmãos goianos convidaram o conterrâneo e agora ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para liderar o projeto.

Com forte investimento em tecnologia e marketing, o Original abriu as portas em 2016 com a intenção de atrair clientes pela inovação e processos simplificados. Estimativas de concorrentes indicam que a casa teria mais de 230 mil clientes. Apesar disso, os resultados não aparecem.

Dados enviados pelo Original ao BC explicam o prejuízo: o banco gastou 172,8 milhões de reais em despesas administrativas e de pessoal entre janeiro a março. O valor foi muito maior que os 8,3 milhões de reais obtidos das tarifas pagas pelos clientes. A receita, portanto, não cobriu nem 5% das despesas. Em grandes bancos, essas receitas chegam a cobrir até 80% dos gastos.

Procurado, o Original explicou que o prejuízo está dentro do esperado e não afeta o fôlego financeiro. “Alinhados à nossa proposta de negócio, realizamos significativos investimentos. O retorno, segundo nosso plano de negócios, está aderente às nossas expectativas e não impacta a nossa liquidez corrente ou os nossos compromissos”, informou em nota.

Marca

Em 2016, o banco registrou prejuízo operacional de 278,6 milhões de reais. O balanço, porém, anunciou lucro líquido de 43,6 milhões de reais após uma operação inusitada: a casa vendeu o nome “Original” e dois endereços na internet para os próprios donos – a J&F Investimentos – por 422 milhões de reais que serão pagos em 36 parcelas. Em troca, o banco pagará 1% do resultado operacional à J&F como “royalties”.

Ainda que o Original tenha recebido apenas a primeira parcela de 11,7 milhões de reais em 2016, a operação foi essencial para que a casa tivesse lucro contábil no ano passado – já que o valor total da operação foi declarado na rubrica “resultado não operacional”. Sem essa transação, o prejuízo do banco teria ultrapassado 322 milhões de reais.

Independentemente do prejuízo, o banco dos irmãos Batista acabou sendo afetado pelo entorno conturbado após as acusações de Joesley. Clientes chegaram a sacar mais de 30 milhões de reais nos primeiros dias após a divulgação da conversa entre o sócio controlador do grupo J&F e o presidente Michel Temer. O tema foi seguido de perto pelo Banco Central e um auditor permaneceu duas semanas acompanhando a operação diariamente. A retirada de recursos, porém, parece relativamente pequena diante do caixa do banco, que estaria em cerca de 1,6 bilhão de reais. O número não é confirmado pelo Original.

Analistas acreditam que o banco poderá tentar acelerar a chegada ao equilíbrio nos próximos trimestres com corte de gastos.

Mudança de controle

Em meio a um cenário conturbado ligado à J&F, o Original passou a ser alvo de especulações de que poderia ser vendido. A coluna da Sonia Racy informou que o Santander teria sido sondado para olhar o banco. O banco chinês CCB, dono do BicBanco, também foi apontado como interessado. Procurado, o Santander não comenta. O CCB não retornou os pedidos de entrevista. O Original diz que “desconhece qualquer informação sobre transferência de controle”.

(Com Estadão Conteúdo)