Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MP do Acre pede que investidores não processem TelexFree

Segundo o órgão, a ação civil pública elaborada pelos promotores é suficiente para pedir o ressarcimento dos envolvidos

A promotora do Ministério Público (MP) do Acre, Alessandra Garcia Marques, divulgou nota nesta segunda-feira no site do órgão pedindo que os investidores atingidos pelo bloqueio de bens da TelexFree não entrem com ações individuais contra a empresa, acusada pelo MP de atuar em esquema de pirâmide financeira. A justificativa é de que o próprio MP do Acre já ajuizou uma ação civil pública com o propósito de ressarcir os mais de mil “investidores” envolvidos.

Alessandra garantiu ao site de VEJA que o pedido é apenas uma questão de prevenção e orientação – e não uma proibição. “De acordo com as regras processuais, os (as) senhores (as) não precisam ajuizar ações individuais com a mesma finalidade”, disse a nota.

A orientação veio poucos dias após o advogado Samir Badra Dib, de Rondonópolis (MT), conseguir na Justiça uma decisão favorável que prevê que a TelexFree devolva a quantia que foi investida por ele no negócio (101 mil reais). Este foi o primeiro caso de um participante que conseguiu recuperar o investimento após o bloqueio de bens da empresa, em 18 de junho.

Leia mais:

TelexFree nega ter desviado R$ 100 mi após bloqueio de bens

Para Justiça, possível mentor da TelexFree é ‘especialista’ em pirâmides

Na nota, Alessandra lembra ainda a importância de se guardar todos os comprovantes de pagamentos feitos à empresa, o contrato firmado com a TelexFree e comprovantes de investimentos feitos de forma eletrônica.

O MP pediu ainda que as pessoas prejudicadas não tentem intervir nas demandas coletivas ajuizadas pelo órgão, de modo que isso só “tumultuará a resolução do conflito e retardará o fim esperado dos processos”. O pedido ocorreu depois que alguns investidores tentaram derrubar o bloqueio judicial da empresa, para que pudessem continuar recebendo seus rendimentos.

Leia ainda: TelexFree: como o caso traumatizou uma cidade