Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Moreira Franco se reúne com elétricas para discutir risco de apagão no Galeão durante a Copa

Ministro da SAC se reuniu nesta manhã com representantes do aeroporto, do MME e da Light; medidas preventivas serão definidas até sexta-feira

O ministro da Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), Wellington Moreira Franco, reuniu-se na manhã desta segunda-feira com gestores do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, para discutir medidas preventivas contra apagões durante a Copa do Mundo. O ministro havia comentado sobre o risco de apagão no aeroporto do Galeão em entrevista ao site de VEJA há duas semanas feita por meio da rede de microblogs Twitter. Medidas preventivas serão anunciadas até sexta-feira.

Durante a entrevista, que contou com participação de leitores, o ministro foi questionado sobre o risco de apagão durante o torneio mundial e afirmou que convocou empresas e governo para alinhar os ponteiros. “Já tivemos falta de energia várias vezes, por pouco tempo, mas muito prejudiciais. A Light diz que é o Galeão e o Galeão diz que é a Light. Por isso vou colocar Light e Galeão frente a frente para esclarecer a questão”, afirmou o ministro.

No dia 18 de abril um apagão ocorrido por volta das 22 horas deixou o aeroporto sem energia por mais de uma hora. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o problema afetou os terminais 1 e 2 do aeroporto. Segundo o ministro Moreira Franco, a causa da parada foi um gambá que entrou na subestação da Light no aeroporto.

Prevenção – “Apesar de ter sido ocasional, isso não se justifica porque a energia já caiu outras vezes. Por isso precisamos ter um plano de contingência que previna não apenas a entrada de animais, mas, sobretudo, que tenha alternativas técnicas para que não ocorra nada mais”, disse em coletiva à imprensa nesta segunda-feira. Participaram do encontro representantes da Infraero, da nova administração do aeroporto (concessionária encabeçada pela Odebrecht que assume a gestão em agosto), da Light (companhia de energia local) e do Ministério de Minas e Energia (MME).

“Estudou-se todas as alternativas de natureza técnica e contingências possíveis e teremos até sexta-feira a definição de quais intervenções contingenciais podem ser feitas. Há confiança de que o Galeão não terá queda de energia. A coordenação deste plano será do MME, com a Light e os administradores do Galeão”, disse o ministro.

Leia mais:

Consumo de energia por famílias é recorde no 1º trimestre

Leilão de energia surpreende, mas não elimina problemas