Montadora apresenta caminhão ‘brasileiro’ em feira na Alemanha

Veículo, uma nova versão do Constellation, foi produzido pela MAN apenas no Brasil e desenvolvido por engenheiros brasileiros e alemães

A MAN Latin America, dona da marca de caminhões Volkswagen, apresentou nesta terça-feira no salão internacional de veículos comerciais de Hannover, na Alemanha, um caminhão produzido apenas no Brasil e desenvolvido por engenheiros brasileiros e alemães. O veículo é uma nova versão do Constellation.

Essa foi a primeira vez que um modelo produzido e desenvolvido no Brasil foi apresentado como destaque dos lançamentos da empresa no evento, conhecido como IAA e considerado o maior do mundo nesse segmento. O salão é realizado a cada dois anos e está em sua 66ª edição.

Leia mais:
Em dois anos, setor automotivo corta 200 mil empregos
Desemprego: nas montadoras, 22 mil vagas estão por um fio

Outro lançamento do grupo alemão é o sistema de conectividade, batizado de Rio, “palavra em português que significa movimento, fluxo”, disse o executivo. Nos últimos dias foram espalhados por vários pontos de Hannover, inclusive no aeroporto internacional, placas e cartazes com o slogan Rio, que na quarta-feira teve seu significado revelado.

O sistema Rio permite, por exemplo, que o motorista que saiu de um determinado local com 70% de carga possa ser informado, ao longo do trajeto, sobre uma carga disponível para transporte e, assim, completar a capacidade do caminhão, o que reduz custos.

O IAA reúne mais de 2.000 expositores, entre fabricantes de caminhões, ônibus, vans, de autopeças, implementos e serviços. Nessa edição, há um foco claro nos veículos conectados, elétricos e autônomos.

Segundo o presidente mundial da MAN Latin America, dona da marca de caminhões Volkswagen, Andreas Renschler, já há sinais de recuperação do mercado brasileiro, que vive uma das mais graves crises de sua história. “O mercado brasileiro chegou ao seu limite, mas começamos a verificar pequenas mudanças, como reações nas bolsas e no nível de confiança que vão levar a mudanças no cenário, mas sabemos que levará algum tempo”, afirmou.

O presidente da MAN no Brasil, Roberto Cortes, disse que a empresa busca novos mercados externos para ajudar a reduzir a ociosidade da fábrica de Resende (RJ), que opera com menos da metade de sua capacidade, situação similar à da rival Mercedes-Benz em sua unidade de São Bernardo do Campo (SP). Em três anos, ele espera ampliar a participação das vendas externas de 15% para 30% a 35%.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Caminhão Petrolão, Caminhão Metelão (metendo em tudo na estrada) ou Pixuleco Transformer podem vir a serem boas alternativas de nomes para o novo caminhão.

    Curtir

  2. Cristiano Evangelista

    Isso, estamos orgulhosos por esse feito. Temos carros muito ruins, mas preços MUITO bons (pra eles) e agora um caminhão desenvolvido por brasileiros, exibido lá fora, onde é vendido por X% a menos que aqui, kkkk Veja, vc se supera. Estou orgulhoso.

    Curtir

  3. Aloisio Barros

    O Brasil precisa acordar e dar prioridade às ferrovias. País que investe em ferrovia é competente.

    Curtir