Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministro de Finanças de Portugal renuncia ao cargo

Vítor Garcia será substituído por Maria Luís Albuquerque, secretária do Tesouro

O governo de Portugal confirmou nesta segunda feira que Vítor Gaspar deixou o cargo de ministro de Finanças do país.

Gaspar foi o autor do programa de ajuda de Portugal, no valor de 78 bilhões de euros. Em nota, a Presidência da República do país confirmou também o nome da substituta ao cargo, Maria Luís Albuquerque, atual secretária do Tesouro. A nova ministra assumirá a pasta na terça-feira em cerimônia no Palácio de Belém, residência oficial do presidente português, Passos Coelho.

Leia também:

Portugueses fazem greve geral contra austeridade

Portugal anuncia corte de € 800 mi em serviços públicos

França confirma recessão no 1º trimestre

O motivo da renúncia é desconhecido, mas Gaspar tem sido muito criticado pela oposição portuguesa e por economistas por estar mais focado na redução do déficit fiscal do que no crescimento econômico português.

A saída de Gaspar ocorre num momento delicado, visto que inspetores da troica (grupo de credores internacionais formado por Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Conselho Europeu) voltam a Lisboa no próximo dia 15 para uma nova revisão do programa de ajuda ao país.

Leia ainda: Desemprego na zona do euro atinge recorde em maio

Bastidores – De acordo com o jornal português Público, o presidente Passos Coelho, ao saber do pedido de demissão manifestou-se dizendo que “sublinha o elevado sentido de estado manifestado pelo doutor Vítor Gaspar no desempenho das suas funções, que exerceu em prol da defesa do interesse nacional durante um período de elevadíssima exigência para o país e sempre com espírito de total dedicação e lealdade”.

O veículo informou que, em sua carta de demissão, Gaspar critica a falta de coesão interna do governo e assume “ter chegado a hora de sair da pasta das Finanças, depois de terminada a sétima avaliação da troica, aprovado o Orçamento Rectificativo e confirmada a extensão dos prazos dos empréstimos europeus a Portugal”.

De acordo com a matéria, o ministro já teria pedido para sair do ministério em outubro no ano passado e reconhece que o déficit e a dívida pública minaram sua confiança como dirigente da pasta.

(com Estadão Conteúdo)