Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lucro do BB cai 38% em um ano e fecha 2016 em R$ 7,1 bilhões

De acordo com o banco, o resultado foi impactado, principalmente, pelo aumento da despesa de provisão no ano

Em 2016, o lucro líquido ajustado do Banco do Brasil (BB) alcançou 7,171 bilhões de reais, retração de 38,2% em relação a 2015 (11,594 bilhões de reais). Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pela instituição. Se considerados eventos extraordinários, a cifra foi de 8,034 bilhões de reais , queda de 44,2%, na mesma base de comparação. De acordo com o banco, o resultado foi impactado, principalmente, pelo aumento da despesa de provisão no ano.

O BB lembra ainda que iniciou no ano passado um conjunto de medidas para reorganização institucional e que serão implementadas ao longo de 2017. Além do plano de aposentadoria, chamado Plano Extraordinário de Aposentadoria Incentivada (PEAI), que teve 9.409 adesões em 2016, dentre as medidas estão a revisão e o redimensionamento da estrutura organizacional e da rede de atendimento.

“É estimada uma economia anual com despesas administrativas, exceto pessoal, de 750 milhões de reais, sendo 450 milhões de reais decorrentes da nova estrutura organizacional e 300 milhões de reais da redução de gastos com transporte de valores, segurança, locação e condomínios, manutenção de imóveis, entre outras”, ressalta o banco.

Trimestre

No 4º trimestre de 2016, o lucro líquido ajustado foi de 1,747 bilhão de reais, cifra 34% menor que a registrada um ano antes (2,648 bilhões de reais). Em relação aos três meses anteriores, quando totalizou 2,337 bilhões de reais, houve declínio de 25,2%.

Dentre os eventos não recorrentes no quarto trimestre ante um ano, o BB cita, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, montante de 784 milhões de reais, resultado de gastos de 1,401 bilhão de reais com o plano de incentivo a aposentadoria do banco, efeito fiscais positivos de 729 milhões de reais s e negativo de 182 milhões de reais por conta de planos econômicos.

Indicadores

A carteira de crédito ampliada do Banco do Brasil, que considera títulos privados e garantias, encerrou dezembro em 708,059 bilhões de reais retração de 11,3% em relação ao mesmo período de 2015.

O destaque no trimestre, de acordo com o BB, foram as operações voltadas a pessoas físicas, cujos empréstimos atingiram 187,431 bilhões de reais no quarto trimestre, montante 0,2% maior em relação aos três meses anteriores e 1,7% em um ano. Já a carteira de pessoa jurídica fechou dezembro com saldo de 249,204 bilhões de reais, quedas de 5,4% e 16,6%, nesta ordem.

Ao final do ano passado, o BB contava com 1,401 trilhão de reais em ativos totais, praticamente estável em um ano. Em relação a setembro, quando a cifra estava em 1,448 trilhão de reais, recuou 3,2%.

O patrimônio líquido do BB foi a 87,194 bilhões de reais no quarto trimestre, alta de 6,9% em 12 meses e de 1,7% em relação ao trimestre anterior. O retorno sobre o patrimônio líquido médio ajustado (RSPL) ficou em 7,2% ao final de dezembro contra 12,0% e 9,9%, respectivamente. Em 2016, a rentabilidade foi 7,5% contra 13,0% em 2015.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Improdutivo, mas Recebo!

    Quero ver esse Banco FECHAR E DEMITIR SEUS EFICIENTES FUNCIONÁRIOS NA RUA. Ate que o lucro volte para o bolso do povo brasileiro. PRIVATIZAÇÃO JÁ!

    Curtir

  2. Vinicius Marcello

    Pior banco do Brasil

    Curtir

  3. Prejuízo porque tem dedo dos petralha nesses 13 anos de farra. Não tem uma empresa pública que escapou de ser dilapidado por essa corja esquerdalha.

    Curtir